sicnot

Perfil

Mundo

Obama inquieto com intensificação da violência entre palestinianos e israelitas

O Presidente norte-americano, Barack Obama, exprimiu hoje a sua inquietação com a intensificação da violência entre israelitas e palestinianos, apelando a uma redução da tensão que faz pairar o espetro de uma terceira intifada.

Pablo Martinez Monsivais

"Estamos muito inquietos com esta explosão de violência", declarou Obama, durante uma conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo sul-coreano, Park Geun-Hye, na Casa Branca.

Obama condenou, "nos termos mais firmes, todas as violências contra inocentes" e a reafirmou a sua "convicção de que Israel tem o direito de manter a ordem e a lei e proteger os seus cidadãos dos ataques à faca e das violências de rua".

Uma juventude escapando aparentemente a qualquer controlo político tem exprimido a sua cólera contra a ocupação e a colonização israelita.

As agressões mútuas entre palestinianos e colonos são constantes, assim como os confrontos diários entre lançadores de pedras e as forças israelitas e os ataques com utilização de arma branca.

Desde 1 de outubro que a violência já causou 37 mortos, entre os quais vários atacantes, e centenas de feridos do lado palestiniano e sete mortos e dezenas de feridos do lado israelita.

Lusa

  • EUA vão prolongar presença militar no Afeganistão até 2017
    0:54

    Mundo

    Os Estados Unidos vão prolongar a presença militar no Afeganistão até 2017. O anúncio foi feito esta quinta-feira pelo Presidente Barack Obama, que justifica a decisão com o facto das tropas afegãs ainda não estarem preparadas para defender o país dos grupos terroristas.

  • Obama envia tropas para os Camarões para combater Boko Haram

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Barack Obama, informou hoje que pretende enviar 300 militares para a República dos Camarões para operações de inteligência, vigilância e reconhecimento. Segundo um comunicado divulgado hoje pela Casa Branca, Barack Obama anunciou que já foram enviadas 90 pessoas armadas para auto-defesa daquele país africano, que foi vítima de ataques da organização fundamentalista islâmica Boko Haram.

  • Rússia e EUA trocam argumentos após intervenção russa na Síria
    1:54

    Mundo

    Rússia e Estados Unidos continuam a trocar argumentos por causa da intervenção russa na Síria. Vladimir Putin garante que o objetivo é apoiar as autoridades legítimas. Barack Obama reconhece o falhanço em formar uma oposição armada, mas insiste no afastamento de Bashar al Assad. No terreno, o apoio aéreo russo deu já um novo fôlego às tropas de Damasco.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.