sicnot

Perfil

Mundo

Palestinianos atearam fogo ao túmulo de José em Nablus

Um grupo de palestinianos ateou fogo ao Túmulo de José, na cidade de Nablus, no norte do território palestiniano ocupado da Cisjordânia, revelou hoje o exército israelita.

© NIR ELIAS / Reuters


"Ao longo da noite, dezenas de palestinianos atearam fogo ao Túmulo de José, em Nablus. Forças palestinianas chegaram ao local, extinguiram as chamas e dispersaram os incendiários. O exército israelita fará as reparações necessárias para permitir aos fiéis visitarem o lugar sagrado", refere um comunicado militar.

O porta-voz do exército, Peter Lerner, acrescentou que "a queima e a profanação do Túmulo de José, esta noite, é uma flagrante violação e uma contradição do valor básico da liberdade de culto".

"As Forças de Defesa de Israel tomarão todas as medidas para levar os autores deste depreciável ato à Justiça, restaurar o lugar para que volte à sua condição prévia e garantir que a liberdade de culto é restabelecida", na zona, sublinhou o mesmo responsável.

O denominado túmulo do patriarca José é venerado há séculos por cristãos, judeus e muçulmanos.

O exército israelita retirou-se do local no início da Segunda Intifada (em setembro de 2000), que desde então ficou nas mãos da Autoridade Nacional Palestiniana (ANP).

O mausoléu encontra-se na "zona A", onde a ANP tem pleno controlo administrativo e de segurança, de acordo com a divisão territorial estabelecida nos Acordos de Oslo de 1993.

Contudo, o exército israelita supervisiona em coordenação com a ANP o acesso de fiéis judeus que pretendem orar no local do cenotáfio, onde se venera o bíblico patriarca mencionado no Antigo Testamento, cujas visitas são vistas por muitos palestinianos como provocação.

Segundo o jornal Haaretz, o ataque teve lugar quando centenas de jovens palestinianos se dirigiram para as imediações do complexo e lançaram 'cocktails molotov', tendo também entrado para colocar materiais inflamáveis no túmulo.

Trata-se do primeiro incidente violento de um dia em que grupos palestinianos convocaram a "sexta-feira da revolta", instando a população a manifestar-se e a criar distúrbios", estando previstos protestos para a Cisjordânia e Faixa de Gaza após a grande oração semanal muçulmana.

A região vive uma onda de violência há 15 dias que já resultou na morte de 33 palestinianos (13 dos quais atacante ou supostos atacantes) e sete israelitas, na cadeia de atentados, na maioria de palestinianos contra israelitas.

A onda de violência em Israel e nos territórios palestinianos nas últimas duas semanas tem feito aumentar o receio de um terceiro levantamento popular palestiniano, depois dos de 1987-1993 e 2000-2005, que causaram milhares de mortos.

O Conselho de Segurança da ONU reúne-se hoje de emergência para discutir o aumento da violência em Israel e nos territórios palestinianos ocupados, a partir das 11:00 (16:00 em Lisboa).

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.