sicnot

Perfil

Mundo

Rússia diz que destruiu 450 alvos do Estado Islâmico e que deserção é generalizada

A Rússia destruiu 450 alvos do grupo radical Estado Islâmico (EI) e realizou perto de 700 missões de combate desde o início da sua intervenção militar na Síria, informou hoje o porta-voz militar russo Andrei Kartapolov.

Raqqa, cidade a nordeste da Síria, bastião dos jihadistas do grupo extremista Estado Islâmico (Reuters/ Arquivo)

Raqqa, cidade a nordeste da Síria, bastião dos jihadistas do grupo extremista Estado Islâmico (Reuters/ Arquivo)

© Rodi Said / Reuters

O general Kartapolov assinalou ainda que "é generalizada" a deserção entre os militantes daquele grupo terrorista.

"Existe um descontentamento crescente entre os comandantes de campo e há evidências de desobediência. A deserção está a tornar-se generalizada", disse.

Segundo Kartapolov, cerca de 100 extremistas passam a fronteira entre a Síria e a Turquia diariamente, abandonando as zonas de combate pelas rotas dos refugiados.

Desde o início da operação militar na Síria, a 30 de setembro, os aviões russos realizaram 669 voos, 115 dos quais noturnos, disse ainda o general numa conferência de imprensa para jornalistas estrangeiros.

Durante a operação foi destruída a infraestrutura dos 'jihadistas' do EI nas províncias de Idleb, Alepo, Homs e no norte de Latakia, sublinhou.

O responsável militar estimou em 50.000 o número de efetivos do Estado Islâmico, adiantando que o grupo possui entre o seu armamento baterias antiaéreas, embora os aviões russos ainda não tenham podido confirmar a sua utilização por parte dos 'jihadistas'.

Kartapolov, vice-chefe do Estado-Maior russo, disse ainda que na Síria não existem vestígios da oposição moderada de que o Ocidente fala.

"No Ocidente falam de oposição moderada, mas nós até agora não a vimos na Síria", afirmou.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.