sicnot

Perfil

Mundo

Salário mínimo na Venezuela aumenta 30% a partir de novembro

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou na quinta-feira, um aumento de 30% do salário mínimo dos venezuelanos, em vigor a partir do próximo mês de novembro.

© Handout . / Reuters

"Para proteger o salário, decidi decretar um aumento do salário mínimo nacional de 30%", disse Maduro, que falava durante um encontro com trabalhadores que teve lugar na Siderúrgica de Orinoco (Sidor), em Guyana, a 700 quilómetros a sudeste de Caracas.

"Devem ajustar-se, imediatamente, todas as tabelas da administração pública, das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas", frisou, sublinhando que o aumento representa um investimento extraordinário.

Com o novo aumento (o quarto em 2015) o salário mínimo dos venezuelanos sobe de 7.421,66 para 9.649 bolívares (de 1.033 para 1343,49 euros), enquanto o subsídio de alimentação passa a ser de 6.750 bolívares (939,84 euros).

Os venezuelanos queixam-se com frequência dos altos preços dos produtos, num país onde um café custa 70 bolívares (9,74 euros) e um quilograma de carne de vaca ronda os 1.500 bolívares (208,85 euros) à taxa de referência oficial de 6,30 bolívares por cada dólar norte-americano, usada para a importação de produtos prioritários.

Segundo Nicolás Maduro, o aumento vai "muito além" da inflação anual estimada, que "deverá estar à volta dos 80%", apesar do Banco Central da Venezuela não divulgar os dados oficiais sobre a inflação desde janeiro de 2015.

Segundo o Fundo Monetário Internacional e a Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas (Cepal) a inflação anual na Venezuela deverá ser superior a 180%.

Lusa

  • Rebeldes sírios e Daesh confrontam-se na cidade de Al-Bab
    0:44

    New Articles

    Depois da operação militar da Turquia na cidade síria Al-Bab, os rebeldes sirios retomam os confrontos diretos com militantes do Daesh. Foram hoje reveladas imagens publicadas numa rede social, que mostram a cidade de Al-Bab, um dos principais alvos dos combates entre a Turquia e o aliados ocidentais, o Daesh e alguns dos rebeldes que lutam contra o regime de Bashar Al-Assad.