sicnot

Perfil

Mundo

Merkel viaja domingo para a Turquia para debater crise dos refugiados

A chanceler alemã, Ângela Merkel, desloca-se à Turquia no domingo para se encontrar com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, uma peça-chave aos olhos de Berlim na procura de soluções para a crise dos refugiados.

© Francois Lenoir / Reuters


Merkel, cujos sucessivos governos atuaram como travão às aspirações turcas de aderir à União Europeia (UE), alterou recentemente a sua posição a favor dos pontos de vista de Erdogan, enquanto a nível interno crescem as pressões sobre a chanceler para conter a vaga de pedidos de asilo na Alemanha.

Na sexta-feira, numa ação realizada pela União Democrata-Cristã (CDU), o partido a que preside Merkel, esta expressou a sua "compreensão" para com o pedido de apoio financeiro da União Europeia à Turquia, no valor de 3.000 milhões de euros, para que este país possa ajudar os refugiados que pretendem alcançar a Europa.

"Nós falámos sobre isso", disse Merkel, embora o montante da ajuda tenha triplicado desde que inicialmente foi proposto por Bruxelas e depois de o Governo alemão ter dito que vai defender a possibilidade de a Turquia ser considerada como "país de origem seguro".

Berlim tem-se manifestado relutante em relação às aspirações da Turquia para entrar na União Europeia, mas o medo parece ter-se começado a dissipar devido à necessidade de aliviar a situação criada pelos refugiados que, pela primeira vez, chegam aos países da UE.

Em Istambul, Merkel vai reunir-se com Erdogan e o primeiro-ministro turco, Ahmed Davutoglu Ahmet, onde deverão falar da luta contra o terrorismo do grupo Estado Islâmico (EI) e da crise dos refugiados.

A Turquia tem, em contrapartida, de cooperar ativamente com a Grécia na proteção das fronteiras externas da União Europeia, matéria que não é fácil, nem para Atenas e nem para Âncara, no meio do conflito com o Chipre.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.