sicnot

Perfil

Mundo

Balanço de mortos pela passagem do tufão Koppu pelas Filipinas sobe para 16

O tufão Koppu enfraqueceu mas continua hoje a provocar fortes chuvadas nas Filipinas, inundando dezenas de aldeias e fazendo subir o balanço de mortos para 16.

Reuters

O tufão, que tocou terra no domingo na costa oriental de Luzon, principal ilha das Filipinas, já forçou mais de 60.000 pessoas a abandonarem as suas casas, segundo as autoridades.

Embora enfraquecido, o tufão provocou chuvas torrenciais sobre três cadeias montanhosas, inundando vastas planícies a norte de Manila.

"A água sobe rapidamente e há pessoas nos telhados", disse o diretor-adjunto da proteção civil regional, Nigel Lontoc, à agência France Presse.

Em Santa Rosa, localidade a duas horas de automóvel da capital, são visíveis na beira da estrada dezenas de animais mortos - búfalos, porcos, cães e cabras -, móveis e eletrodomésticos arrastados pelas águas, segundo a agência.

As rajadas de vento provocadas pelo tufão, que inicialmente atingiram os 210Km/hora, diminuíram hoje para 150Km/hora, mas a chuva intensa mantém-se e, segundo os meteorologistas, o tufão só deverá deixar de afetar o território filipino na quarta-feira.

O balanço oficial de vítimas mortais é de 16 pessoas, sete delas mortas no naufrágio de um 'ferry', mas deverá aumentar à medida que forem chegando informações de algumas das aldeias mais afetadas.

As Filipinas são frequentemente afetadas por intempéries, registando em média a passagem de vinte tufões por ano.

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06