sicnot

Perfil

Mundo

Ban Ki-moon diz que "não existe plano B nem planeta B" e apela para acordo mundial sobre clima

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, apelou hoje à comunidade internacional para negociar um acordo mundial sobre o clima e preveniu que não existe "nem um plano B, nem um planeta B" para escapar ao aquecimento climatérico global.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Mike Segar / Reuters

As negociações sobre o clima foram até ao momento "lentas e frustrantes" porque "os negociadores partem de perspetivas nacionais muito estreitas", disse Ban Ki-moon a jornalistas em Bratislava.

"Não temos qualquer plano B porque não temos nenhum planeta B", insistiu após um encontro com Miroslav Lajack, ministro eslovaco dos Negócios Estrangeiros e europeus.

Entre 30 de novembro e 11 de dezembro, quando se vai realizar a 21.ª conferência mundial sobre o clima sob a égide da ONU, são esperados em Paris representantes de 195 países para negociar um acordo mundial destinado a travar o aquecimento climático do planeta.

"Paris não é o ponto de chegada mas deveria assinalar uma viragem nos nossos esforços para abordar as alterações climáticas", sublinhou Ban Ki-moon, que se declarou "moderadamente otimista" sobre o sucesso das negociações.

Na manhã de hoje, o Presidente francês François Hollande vaticinou que haverá um acordo em Paris, mas sem precisar qual a sua dimensão.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.