sicnot

Perfil

Mundo

Tufão Koppu enfraquece após causar quatro mortos nas Filipinas

O tufão Koppu está agora a enfraquecer, depois de ter causado pelo menos quatro mortos e afetado mais de 200.000 pessoas nas Filipinas, onde 20 províncias ainda estão em estado de alerta, informaram fontes oficiais.

Bullit Marquez

A tempestade, que chegou no domingo à costa da província de Aurora com rajadas até 210 quilómetros por hora, afeta hoje o extremo norte das Filipinas com ventos de 120 quilómetros por hora e chuvas fortes.

Porta-vozes dos governos locais das zonas afetadas confirmaram a existência de pelo menos quatro mortos.

Por seu lado, o Conselho Nacional de Gestão e Redução de Risco de Desastres, o organismo oficial para a contagem de vítimas, apenas confirmou duas vítimas mortais e cinco feridos.

Desconhece-se ainda a situação de diversas zonas remotas e de difícil acesso, prevendo-se que o número de vítimas mortais aumente consideravelmente.

Segundo os últimos dados do Ministério do Bem-Estar Social e Desenvolvimento, cerca de 203.000 pessoas foram afetadas pelo Koppu -- apelidado de Lando pelas autoridades locais --, entre as quais 60.000 estão a receber ajuda nos centros de evacuação.

"Muitas zonas na minha localidade estão debaixo de água e há vários residentes que estão à espera das equipas de resgate nos telhados das suas casas", disse Antonio Lustre, presidente da câmara de San Antonio, na província de Nueva Ecija, à emissora local ANC.

Nalgumas localidades, como Baguio, o Koppu originou a queda de 161 litros de chuva por metro quadrado em 24 horas, deixando várias barragens no limite da sua capacidade, segundo a Agência de Meteorologia das Filipinas.

As Filipinas são atingidas por 15 a 20 tufões por ano, a maioria entre junho e novembro.

Em novembro de 2013, o tufão Haiyan, um dos mais fortes da história, matou 6.300 pessoas e deixou mais de mil desaparecidas.

Lusa

  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, até ao final de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano vão ser contratados novos assistentes de bordo, mas o sindicato diz que não chega.