sicnot

Perfil

Mundo

Cão nasceu há 15 mil anos, na Ásia Central

A Ásia Central é a região do globo de onde é originário o cão. A conclusão é do maior estudo realizado até à data sobre a origem geográfica dos canídeos.

ap

A Ásia Central está para a origem dos cães como o Este de África está para as origens dos humanos, explicam os investigadores da Universidade de Cornell e um grupo internacional de cientistas. O estudo é publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

Estudos anteriores tinham localizado o Médio Oriente, o Leste asiático e a Europa como a origem dos cães.

Pela primeira vez, foi analisado um enorme e diverso grupo de cães - quer de raça pura, quer cães vadios. No total, três tipos diferentes de ADN de mais de 4500 cães, de 161 raças, e 549 cães vadios de 38 países. A amostra permitiu determinar de grupos geográficos de cães modernos estavam geneticamente próximos de populações ancestrais.

A Ásia Central, incluindo a Mongóia e o Nepal, é de onde vêm "todos os cães" que existem no mundo - cerca de mil milhões, diz Adam R. Boyko, um dos investigadores. Não se chegou a uma data precisa, mas o estudo mostrou que os cães deverão ter começado a ser domesticados há cerca de 15 mil anos.

O cãe é, explicam, o animal mais diverso do planeta, com um legado de milhares de anos de criação seletiva pelos humanos. Os canídeos descendem dos lobos, que foram gradualmente entrando nos grupos de homens caçadores.

"Não há dúvida de que os cães andavam à volta das áreas de caça e aproximavam-se cada vez mais dos humanos. A questão é saber qual foi o primeiro passo para isso acontecer. Os lobos serem necrófagos face ao que o Homem caçava, deve ter sido o fator desencadeador", explica Boyko.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31