sicnot

Perfil

Mundo

Marine Le Pen julgada por incitamento ao ódio

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, começou hoje a ser julgada por incitamento ao ódio, afirmando à chegada ao tribunal que não cometeu "nenhuma infração" quando comparou as orações de rua à ocupação nazi de França.

Reuters

Reuters

© Robert Pratta / Reuters

"Não cometi nenhuma infração", disse Le Pen, líder da Frente Nacional (FN), ao chegar ao tribunal para a primeira audiência do julgamento, no qual, se for considerada culpada, pode ser condenada a uma pena de prisão de até um ano e a uma multa de 45.000 euros.

Em declarações à imprensa à chegada ao tribunal de Lyon (oeste), a dirigente partidária afirmou que o julgamento é "político" e visa prejudicá-la eleitoralmente.

"Não vos parece estranho este calendário? Estamos a um mês de uma eleição regional e este caso tem cinco anos!", disse, referindo-se às eleições de dezembro, para as quais é dada como favorita na região do norte em que encabeça a lista da FN.

As declarações pelas quais está a ser julgada remontam a 2010, quando fazia campanha para suceder ao pai, Jean-Marie Le Pen, líder histórico da extrema-direita francesa, entretanto afastado do partido pela filha.

Numa reunião pública com militantes em Lyon, a então candidata a líder da FN comparou as "orações de rua" dos muçulmanos em França à ocupação do país pelo regime nazi entre 1940 e 1944.

"Lamento, mas aqueles que gostam muito de falar da II Guerra Mundial, se vamos falar de ocupação, podemos falar disso, porque isto [as orações muçulmanas na rua] é uma ocupação do território", disse.

"É uma ocupação de zonas, de bairros onde a lei islâmica é aplicada. É verdade que não há blindados nem soldados, mas é uma ocupação na mesma e ela pesa sobre os habitantes", acrescentou.

Hoje, depois de se dizer convicta da sua inocência, reiterou o que disse em 2010: "As orações de rua são uma ilegalidade. São uma forma de se apropriar (...) de um território para aí impor uma lei religiosa. Como responsável política, tenho o direito de evocar uma questão fundamental. É mesmo um dever".

Marine Le Pen, que já foi alvo de processos por difamação mas nunca antes por incitamento ao ódio, afirmou que, se for condenada, isso provocará "indignação no povo francês".

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.