sicnot

Perfil

Mundo

Marine Le Pen julgada por incitamento ao ódio

A líder da extrema-direita francesa, Marine Le Pen, começou hoje a ser julgada por incitamento ao ódio, afirmando à chegada ao tribunal que não cometeu "nenhuma infração" quando comparou as orações de rua à ocupação nazi de França.

Reuters

Reuters

© Robert Pratta / Reuters

"Não cometi nenhuma infração", disse Le Pen, líder da Frente Nacional (FN), ao chegar ao tribunal para a primeira audiência do julgamento, no qual, se for considerada culpada, pode ser condenada a uma pena de prisão de até um ano e a uma multa de 45.000 euros.

Em declarações à imprensa à chegada ao tribunal de Lyon (oeste), a dirigente partidária afirmou que o julgamento é "político" e visa prejudicá-la eleitoralmente.

"Não vos parece estranho este calendário? Estamos a um mês de uma eleição regional e este caso tem cinco anos!", disse, referindo-se às eleições de dezembro, para as quais é dada como favorita na região do norte em que encabeça a lista da FN.

As declarações pelas quais está a ser julgada remontam a 2010, quando fazia campanha para suceder ao pai, Jean-Marie Le Pen, líder histórico da extrema-direita francesa, entretanto afastado do partido pela filha.

Numa reunião pública com militantes em Lyon, a então candidata a líder da FN comparou as "orações de rua" dos muçulmanos em França à ocupação do país pelo regime nazi entre 1940 e 1944.

"Lamento, mas aqueles que gostam muito de falar da II Guerra Mundial, se vamos falar de ocupação, podemos falar disso, porque isto [as orações muçulmanas na rua] é uma ocupação do território", disse.

"É uma ocupação de zonas, de bairros onde a lei islâmica é aplicada. É verdade que não há blindados nem soldados, mas é uma ocupação na mesma e ela pesa sobre os habitantes", acrescentou.

Hoje, depois de se dizer convicta da sua inocência, reiterou o que disse em 2010: "As orações de rua são uma ilegalidade. São uma forma de se apropriar (...) de um território para aí impor uma lei religiosa. Como responsável política, tenho o direito de evocar uma questão fundamental. É mesmo um dever".

Marine Le Pen, que já foi alvo de processos por difamação mas nunca antes por incitamento ao ódio, afirmou que, se for condenada, isso provocará "indignação no povo francês".

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.