sicnot

Perfil

Mundo

Protetores solares: depois de protegerem os humanos, destroem os corais

O protetor solar que os mergulhadores e banhistas usam nas praias para se protegerem dos raios solares estão a matar os recifes e corais pelos oceanos do mundo. Um estudo recente revela que basta uma gota para que os químicos presentes na loção ataquem as formações rochosas e os animais.

© David Gray / Reuters

A investigação conduzida por cientistas nas Ilhas Virgem e no Havai foi desencadeada por um acaso há uns anos. Um grupo de investigadores estava numa das praias das Caraíbas, Trunk Bay, e um vendedor de praia que esperava a invasão sazonal de turistas comentou: "esperem só para ver o que eles deixam para trás: uma longa mancha de óleo". Comentário que despertou a curiosidade para uma investigação.

O estudo, publicado nos Archives of Environmental Contamination and Toxicology, determinou que uma gota de protetor solar é suficiente para destruir os corais - a oxibenzona presente na loção impede a alimentação do coral, que acaba por ficar branco.

E não são só as pessoas que aplicam protetor solar e que tomam banho no mar ou mergulham que são responsáveis pelo produto nas águas. São todas aquelas que depois de usarem os protetores tomam banho em casa, já que tudo é depois escoado para os esgotos.

Os autores da investigação estimaram, com base na distribuição dos recifes nas áreas turísticas costeiras, que pelo menos 10% dos recifes de corais no mundo estão em alto risco de exposição a esta substância química.

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.