sicnot

Perfil

Mundo

Sul-coreanos deslocam-se até à Coreia do Norte para encontros familiares

Cerca de 400 sul-coreanos, a maioria idosos, atravessaram hoje a fronteira fortemente militarizada com a Coreia do Norte para um raro encontro com familiares que não veem há mais de seis décadas ou, até, que nunca conheceram.

© Kim Hong-Ji / Reuters

Uma frota de autocarros transportou os familiares de um resort na cidade portuária de Sokcho até à fronteira que divide a península desde a guerra de 1950-53.

Após passar o 'checkpoint', o grupo deslocou-se até ao Monte Kumgang, onde vai decorrer o encontro de três dias, agendado para começar hoje à tarde.

Esta é a segunda reunião familiar organizada nos últimos cinco anos, sendo fruto de um acordo firmado em agosto com o objetivo de atenuar as tensões entre as duas Coreias.

Mais de 65 mil sul-coreanos estão atualmente na lista de espera para participar num destes encontros.

"Não consegui pregar olho esta noite", disse Lee Joo-Kuk, de 82 anos, segurando uma placa com o seu nome e idade, e o nome do seu irmão mais velho que espera encontrar hoje no Monte Kumgang.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.