sicnot

Perfil

Mundo

Putin e Assad defendem processo político após operações militares

Os presidentes russo, Vladimir Putin, e sírio, Bashar al-Assad, sublinharam hoje que as operações militares na Síria estão a permitir conter o terrorismo e devem ser seguidas de um processo político, durante uma visita surpresa de Assad a Moscovo.

Reuters

"Estamos preparados para dar a nossa contribuição, não apenas durante as hostilidades armadas na luta contra o terrorismo, como também durante um processo político", disse Putin a Assad, segundo um comunicado da presidência da Rússia.

Nas declarações que fez à imprensa, Bashar al-Assad sublinhou a importância da campanha de bombardeamentos aéreos russos, que tem permitido conter o terrorismo no país.

"O terrorismo, que atualmente se espalhou pela região, teria tomado áreas muito maiores e territórios muito maiores não fossem as suas ações e as suas decisões", disse, dirigindo-se a Putin.

Assad, citado por 'media' árabes, prosseguiu frisando que "o terrorismo é o obstáculo a uma solução política na Síria", pelo que os bombardeamentos vão permitir "erradicar o terrorismo que entorpece a consecução de uma saída política".

Segundo a agência estatal síria Sana, Putin assegurou a Assad a sua disposição para continuar a apoiar política e militarmente a Síria e para avaliar com outras potências internacionais uma solução política para a guerra.

A visita de Assad a Moscovo é a primeira que faz ao estrangeiro desde o início do conflito, em março de 2011.

A Rússia lançou a 30 de setembro uma campanha de bombardeamentos aéreos na Síria com o objetivo de travar os 'jihadistas' do Estado Islâmico, mas os Estados Unidos e seus aliados criticaram a entrada de Moscovo no conflito, afirmando que está a bombardear grupos da oposição moderada apoiados pelo Ocidente numa tentativa de reforçar a posição de Bashar al-Assad.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21