sicnot

Perfil

Mundo

Guia supremo iraniano aprova acordo nuclear apesar das "ambiguidades"

O guia supremo do Irão, Ayatollah Ali Khamenei, deu hoje o seu apoio ao acordo nuclear com as grandes potências apesar das "ambiguidades" e das "debilidades estruturais", indicou numa carta dirigida ao Presidente Hassan Rohani.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Caren Firouz / Reuters

"O resultado das negociações" que resultaram no acordo sobre o nuclear de 14 de julho "contém numerosas ambiguidades e debilidades estruturais", considera o guia supremo, que no entanto "aprova" a decisão do Conselho supremo da segurança nacional (CSSN) de aplicar o acordo, referiram os media iranianos.

Segundo Khamenei, "estas ambiguidades" e a possibilidade de "violação" do acordo pelas grandes potências, "em particular os Estados Unidos", tornam necessária a criação de "uma comissão forte e vigilante para examinar o trabalho e a aplicação dos compromissos pela outra parte", refere na missiva.

"A composição desta equipa e os seus deveres serão definidos pelo CSSN", acrescentou.

Khamenei considera que "nos próximos oito anos" durante os quais o Irão deve limitar o seu programa nuclear, "qualquer nova sanção, e sob qualquer pretexto", designadamente terrorismo e direitos humanos, que seja adotada "por qualquer um dos países envolvidos nas negociações será uma violação" do acordo e "o governo será forçado a denunciá-lo".

Concluído em 14 de julho em Viena após dois anos de difíceis negociações, este acordo histórico entre o Irão, Estados Unidos, China, Rússia, Reino Unido, França e Alemanha permitirá o levantamento das sanções internacionais impostas a Teerão, em troca do seu compromisso em renunciar à arma atómica e limitar o seu programa nuclear civil por um período de oito a 15 anos, segundo os dossiês.

O acordo foi aprovado a 13 de outubro pelo parlamento iraniano após o falhanço das tentativas dos republicanos em bloqueá-lo no Congresso dos Estados Unidos.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.