sicnot

Perfil

Mundo

Jornalista húngara ameaça processar o refugiado que rasteirou e o Facebook

"É uma questão de honra" dis Petra Lazlo, a jornalista que esticou a perna e fez cair um refugiado que corria com o filho ao colo na fronteira da Hungria com a Sérvia. Foi tudo filmado e Petra despedida. Agora a antiga jornalista da N1TV ameaça processar o Facebook e Osama Abdul Mohsen.

© Marko Djurica / Reuters

A notícia é avançada pela Sky News que cita um jornal russo.

A repórter de imagem da N1TV da Hungria alega que Mohsen, o refugiado sírio que corria com o filho ao colo e foi rasteirado, "alterou o seu depoimento porque inicialmente responsabilizou a polícia pela queda".

A jornalista acusa ainda o Facebook de se ter recusado a remover "grupos" que surgiram na rede social a ameaçá-la.

"O meu marido quer provar a minha inocência. É uma questão de honra" explica Petra Lászlo ao jornal russo.

Na Hungria corre um processo judicial e a jornalista aguarda julgamento. Logo que termine, a repórter de imagem garante que vai avançar com estes dois processos.

O incidente aconteceu no dia 8 de setembro junto ao campo de Roszke, na fronteira da Hungria com a Sérvia.

No vídeo a jornalista é vista a tentar rasteirar mais duas pessoas.

Na Hungria arrisca-se a uma pena de prisão de cinco anos.

Petra Lászo admite ainda emigrar para a Rússia.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão