sicnot

Perfil

Mundo

Monge japonês passa nove dias sem comer, beber ou dormir

Um monge budista japonês terminou hoje um cansativo ritual de nove dias sem comer, beber ou dormir enquanto entoava escrituras budistas 100.000 vezes, segundo a imprensa japonesa.

© Reuters Staff / Reuters

O ritual cumprido por Kogen Kamahori, de 41 anos, tornou-o uma forma viva do Buda de acordo com as crenças do seu templo, indicou o jornal Asahi.

Kogen Kamahori foi a primeira pessoa a completar o teste nos últimos oito anos, referiram media japoneses.

Após terminar o ritual num centro no Mount Hieizan, uma montanha sagrada no oeste do Japão com vários templos, o monge foi saudado por 600 espetadores e elementos dos media.

O ritual é considerado a parte mais difícil de uma preparação de sete anos que inclui 1.000 dias, não consecutivos, a caminhar na montanha para conseguir a iluminação. O monge começou a caminhada em 2011 e cumpriu 700 dias antes de começar o jejum, prevendo terminá-la no outono de 2017.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.