sicnot

Perfil

Mundo

Passagem do tufão Koppu no norte das Filipinas fez pelo menos 35 mortos

A passagem do tufão Koppu pela zona norte das Filipinas fez pelo menos 35 mortos, 24 feridos e afetou mais de 907 mil pessoas, segundo o último balanço hoje divulgado pelas autoridades locais.

FRANCIS R. MALASIG

Após mais de três dias de chuvas intensas, extensas zonas daquela região ficaram submersas, indicaram as mesmas fontes.

Num relatório hoje divulgado, o Conselho Nacional de Gestão e Redução de Riscos de Desastres das Filipinas admitiu que o número de vítimas pode vir a aumentar, uma vez que as operações de resgate de habitantes isolados pelas inundações prosseguem ainda em várias províncias.

A agência governamental filipina precisou que entre as mais de 907 mil pessoas afetadas, 443 mil ficaram desalojadas e 112 mil estão a ser assistidas em centros de acolhimento.

A passagem do tufão Koppu -- que registou ventos que ultrapassaram os 200 quilómetros/hora-, provocou danos materiais significativos no norte das Filipinas, com o registo de 762 zonas inundadas, várias estradas cortadas e 28 pontes intransitáveis.

A agência meteorológica filipina (PAGASA) reviu hoje a classificação do Koppu, de depressão tropical para tempestade, indicando que a chuva, ainda aguardada para aquela região, irá dissipar-se ao longo dos próximos dias.

Anualmente, as Filipinas registam entre 15 a 20 tufões durante a temporada das chuvas, que começa normalmente em junho e termina em novembro.

Em novembro de 2013, o tufão Haiyan, um dos mais potentes tufões da história, causou nas Filipinas 6.300 mortos, mais de 1.000 desaparecidos e mais de 14 milhões de afetados.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.