sicnot

Perfil

Mundo

Passagem do tufão Koppu no norte das Filipinas fez pelo menos 35 mortos

A passagem do tufão Koppu pela zona norte das Filipinas fez pelo menos 35 mortos, 24 feridos e afetou mais de 907 mil pessoas, segundo o último balanço hoje divulgado pelas autoridades locais.

FRANCIS R. MALASIG

Após mais de três dias de chuvas intensas, extensas zonas daquela região ficaram submersas, indicaram as mesmas fontes.

Num relatório hoje divulgado, o Conselho Nacional de Gestão e Redução de Riscos de Desastres das Filipinas admitiu que o número de vítimas pode vir a aumentar, uma vez que as operações de resgate de habitantes isolados pelas inundações prosseguem ainda em várias províncias.

A agência governamental filipina precisou que entre as mais de 907 mil pessoas afetadas, 443 mil ficaram desalojadas e 112 mil estão a ser assistidas em centros de acolhimento.

A passagem do tufão Koppu -- que registou ventos que ultrapassaram os 200 quilómetros/hora-, provocou danos materiais significativos no norte das Filipinas, com o registo de 762 zonas inundadas, várias estradas cortadas e 28 pontes intransitáveis.

A agência meteorológica filipina (PAGASA) reviu hoje a classificação do Koppu, de depressão tropical para tempestade, indicando que a chuva, ainda aguardada para aquela região, irá dissipar-se ao longo dos próximos dias.

Anualmente, as Filipinas registam entre 15 a 20 tufões durante a temporada das chuvas, que começa normalmente em junho e termina em novembro.

Em novembro de 2013, o tufão Haiyan, um dos mais potentes tufões da história, causou nas Filipinas 6.300 mortos, mais de 1.000 desaparecidos e mais de 14 milhões de afetados.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.