sicnot

Perfil

Mundo

Custo direto do crime na América Latina equivale a 3% do PIB

O custo direto do crime e da violência equivale a 3% do Produto Interno Bruto (PIB) da América Latina, segundo um estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) apresentado na quarta-feira em Quito.

© Oswaldo Rivas / Reuters

O relatório "Os custos do crime e da violência no bem-estar da América Latina e Caribe" assinala que a região é "excecionalmente violenta", já que alberga 9% da população mundial mas é palco de um terço dos homicídios que se registam no planeta.

O estudo foi apresentado durante a 7.ª Semana da Segurança dos Cidadãos, um evento organizado pelo Ministério do Interior do Equador e pelo BID, e que reúne altos representantes governamentais e académicos da região.

Os índices de homicídios apontam para mais de 24 mortes por cada 100.000 habitantes na região, a única onde a violência aumentou desde 2005, segundo o relatório elaborado pela responsável pelos trabalhos de investigação sobre Segurança dos Cidadãos do BID, Laura Jaitman.

A especialista referiu que os custos derivados da violência, equivalentes a 3% do PIB, correspondem ao investimento feito em infraestruturas na região ou aos rendimentos dos 20% mais pobres.

Os dados sobre o custo direto da criminalidade têm como base informações obtidas no Chile, Costa Rica, Honduras, Paraguai e Uruguai, cinco países que, segundo a investigadora, permitem obter uma estimativa bastante aproximada da situação regional.

O Chile e o país do grupo onde o custo é menor, 1,8% do PIB, enquanto as Honduras registam valores equivalentes a 4,6%.

Lusa

  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49