sicnot

Perfil

Mundo

Homens armados matam 20 pessoas no nordeste da Nigéria

Vinte pessoas foram mortas a tiros na quarta-feira por homens armados que pertenceriam ao grupo extremista Boko Haram, nas proximidades de uma cidade do estado de Borno, no nordeste da Nigéria, afirmaram fontes locais.

© Afolabi Sotunde / Reuters

Um grupo numeroso de homens armados do Boko Haram, que fugiam de uma ofensiva militar no seu acampamento no distrito de Nganzai, abriu fogo sobre quatro carros nos arredores de Jingalta, que fica a 70 quilómetros ao norte de Maiduguri, matando 20 pessoas, segundo testemunhas no local.

"Recebemos informações de um ataque realizado por homens armados do Boko Haram a quatro carros, perto de Jingalta, matando todos os 20 ocupantes dos veículos, antes das chamas consumirem os automóveis", disse Babakura Kolo, membro do grupo de vigilância local, que ajuda os militares nigerianos no combate ao grupo extremista islâmico.

Os homens armados, que estavam em carrinhas e motas, pilharam e queimaram a aldeia, cujo os moradores já haviam fugido durante o ataque.

Jibir Hassan, um motorista de autocarro, deslocou-se à vila depois da saída dos homens armados e confirmou as mortes.

"Quando chegámos a Jingalta, nós encontramos tudo completamente queimado, destruído e, fora da cidade, vimos os corpos espalhados pela estrada, 20 deles no total", disse Hassan.

Segundo a testemunha, "perto dos corpos estavam quatro corpos carbonizados".

A capital do estado de Borno, Maiduguri é a terra natal do grupo radical islâmico Boko Haram, cuja revolta causou cerca de 17.000 mortos e mais de 2,5 milhões de deslocados desde 2009.

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite