sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 55 pessoas foram mortas em ataques do Boko Haram na Nigéria

Duas explosões destruíram duas mesquitas no nordeste da Nigéria, matando pelo menos 55 pessoas e deixando mais de 100 feridos, além de ter ocorrido outro ataque numa cidade dos Camarões, todos atribuídos ao grupo Boko Haram.

© Joe Penney / Reuters

Os ataques em Maiduguri, Yola (Nigéria) e Kerawa (Camarões) demonstram a ameaça nacional e regional que representam os radicais islâmicos do Boko Haram, apesar das vitórias reivindicadas pelos militares sobre o grupo rebelde.

O primeiro ataque aconteceu em Maiduguri, pouco depois das 05:00 locais (mesma hora em Lisboa), na região de Jidari, no estado de Borno, onde nasceu o Boko Haram em 2002.

Vinte e oito pessoas morreram, além dos dois bombistas, e outras 20 pessoas ficaram feridas, segundo um civil que estava no local.

A agência nacional de gestão de emergências (NEMA) reportou seis mortos e 17 feridos, enquanto fontes hospitalares falam em 19 mortos.

Pelo menos 27 morreram hoje na explosão de uma bomba numa mesquita recém-inaugurada em Yola, no nordeste da Nigéria, informou a agência de gestão de emergência nacional (NEMA).

"Até ao momento, 27 pessoas morreram e 96 ficaram feridas", disse à agência de notícias francesa AFP o coordenador da NEMA na capital do estado de Adamawa, Saad Bello.

A explosão aconteceu por volta das 14:00 locais (mesma hora em Lisboa), na mesquita de Jambutu Jumaat, na cidade de Jimeta, logo após o imã ter terminado o seu sermão inaugural.

Nos Camarões, as fontes regionais e de segurança disseram que os rebeldes tinham invadido a cidade de Kerawa, na região norte, e que um número indeterminado de civis foi morto pelo grupo extremista, mas os elementos do Boko Haram puseram-se em fuga algumas horas depois.

O medo é muito grande em Maiduguri, que já foi atacada seis vezes este mês, resultando em 76 mortes, segundo um balanço da agência de notícias AFP.

Perguntas são feitas sobre a forma como os rebeldes são capazes de realizar ataques de forma tão regular, tendo provocado 117 mortes no mês passado.

Os ataques a bomba mostram os desafios enfrentados pelos Estados Unidos, que na semana passada anunciaram o envio de 300 militares para o norte dos Camarões.

O contingente vai realizar operações de vigilância e inteligência contra o Boko Haram, inclusive dentro da Nigéria, num momento em que os ataques contra civis estão a aumentar.

Desde 2009, os ataques do Boko Haram na Nigéria já provocaram mais de 17 mil mortos e dois milhões de deslocados.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.