sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos cinco mortos e 30 feridos em ataque a manifestantes na Líbia

Pelo menos cinco pessoas foram mortas e 30 ficaram feridas hoje em Benghazi, no leste da Líbia, por tiros de obuses que visavam uma manifestação contra um projeto de governo de união nacional proposto pela ONU, segundo fonte médicas.

© Esam Al-Fetori / Reuters

Desconhece-se a identidade dos autores do ataque.

"Os obuses atingiram os manifestantes que estavam a protestar contra um projeto de acordo da ONU, no centro de Benghazi, matando cinco pessoas e ferindo outras trinta", declarou à AFP uma fonte médica.

"O número poderá ser muito maior, pois as equipas de socorro estão ainda no local", acrescentou a fonte.

A central médica de Benghazi indicou na sua página oficial da rede social Facebook que registou dois cadáveres e 20 feridos.

Um outro hospital de Al Jalaa, referiu no Facebook ter recebido três mortos e tratado 10 feridos.

A Líbia está mergulhada no caos desde a queda do Presidente Muammar Kadhafi em 2011 e duas autoridades políticas, uma em Trípoli e outra no leste do país, esta reconhecida pela comunidade internacional.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.