sicnot

Perfil

Mundo

Personalidades da Cultura exigem intervenção do Governo no caso Luaty Beirão

Várias personalidades da área cultural vão entregar na sexta-feira ao Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) uma petição "Pela intervenção do Governo português na libertação de Luaty Beirão", já assinada por cerca de nove mil pessoas.

Lusa

O encontro tem início marcado para as 10:00 e o documento vai ser entregue pelo filósofo José Gil, o escultor Rui Chafes e a jornalista Vanessa Rato.

Em declarações à agência Lusa, Vanessa Rato afirmou que "não gostava de lhe chamar (à petição) um gesto de desespero contra a passividade e inação do Governo português, que tem a obrigação constitucional, ética e moral de agir".

Depois de dizer que o pedido de reunião foi aceite rapidamente pelo MNE, adiantou que desconhece se esta rapidez "significa que há alguma coisa a comunicar" por parte do executivo.

Vanessa Leitão disse também que, pela sua parte, tem "perguntas a dirigir ao MNE", designadamente "por que é que a obrigação constitucional não foi cumprida?" e "por que é que o Governo português não está a agir?"

Os passos subsequentes vão depender da reunião, acrescentou, mas adiantou que se está "a começar a entrar numa fase de denúncia da inatividade do Governo português".

Entre os abaixo-assinados encontram-se personalidades como o escritor Almeida Faria, o ex-ministro da Cultura António Pinto Ribeiro, o cineasta Béla Tarr, o realizador Gus van Sant, o filósofo Jacques Rancière, a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, e do Partido Livre, Rui Tavares, a deputada e realizadora Inês de Medeiros, o ator Joaquim de Almeida e a atriz e realizadora Maria de Medeiros e o encenador e realizador Jorge Silva Melo.

A petição está disponível em http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT78772.

Lusa

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08