sicnot

Perfil

Mundo

Um morto e mais de 100 feridos em ataque com bomba no Bangladesh

Pelo menos uma pessoa morreu e mais de 100 ficaram hoje feridas num ataque com bomba no principal espaço dos xiitas na capital do Bangladesh, onde milhares se reuniam pela procissão anual da Ashura, indica a polícia.

EPA

De acordo com as autoridades, esta terá sido a primeira vez que a pequena comunidade muçulmana xiita do Bangladesh foi alvo de um ataque, depois de, há semanas, um trabalhador italiano de uma organização humanitária e um agricultor japonês terem sido mortos em ataques reivindicados pelo Estado Islâmico.

Segundo a polícia, um rapaz de 14 anos morreu no local após três bombas explodirem no exterior do Hossaini Dalan, o principal edifício xiita, no bairro de Mughal, em Daca.

"Havia cerca de 20.000 pessoas no exterior do edifício. Estavam a preparar a procissão anual de Muharram, quando as três [bombas] explodiram", descreveu à AFP o vice-comissário da polícia de Daca, Mofiz Uddin Ahmed.

"Descobrimos duas bombas não detonadas, são dispositivos explosivos, quase como granadas com baterias", disse o chefe da polícia local Azizul Haq.

Além do jovem de 14 anos que não sobreviveu, mais de 100 pessoas ficaram feridas, a maioria com estilhaços, e foram transportadas para o Hospital Universitário de Daca.

Com Lusa

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.