sicnot

Perfil

Mundo

Desativação de bomba da II Guerra, em Berlim, obriga a retirar 11 mil pessoas de casas

Perto de 11 mil pessoas residentes em Berlim foram retiradas hoje das suas casas, para que fosse desativada uma bomba da II Guerra Mundial, com 250 quilos, que foi localizada durante umas obras no bairro de Kreuzberg.

Os moradores foram avisados no sábado, tendo a polícia feito, durante a manhã de hoje, a ronda aos edifícios situados no perímetro de segurança, para proceder à retirada das pessoas que necessitavam de ajuda e garantir que a zona ficava desocupada.

De acordo com a polícia, a bomba, de fabrico norte-americano, foi encontrada perto do Museu Judaico e foi desativada depois de terem sido desligados os dois detonadores.

O perímetro de segurança obrigou à interrupção da circulação de várias linhas do metropolitano e de autocarros, mantendo-se durante nove horas.

A desativação de uma outra bomba da II Guerra Mundial, na cidade de Koblenz, a oeste da Alemanha, levou à retirada de cinco mil pessoas das suas habitações.

A bomba, igualmente de fabrico norte-americano, foi detetada, a quatro metros de profundidade, nas obras num centro escolar.

Operações de desativação de bombas da II Guerra Mundial (1939-1945) não são raras na Alemanha. A maior evacuação feita, até à data, foi em Koblenz, em 2011, quando cerca de 45 mil pessoas tiveram de abandonar as suas casas.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41