sicnot

Perfil

Mundo

Forte sismo sacode Ásia, mais de 60 mortos

Pelo menos 60 pessoas morreram e há mais de 150 feridos na sequência de um forte sismo hoje sentido no Afeganistão, Paquistão e norte da Índia. O balanço das vítimas tem sido constantemente atualizado. O instituto sismológico norte-americano, reviu a magnitude para 7,5 na escala de Richter.

Pessoas na rua após o abalo de hoje, em Srinigar, Índia.

Pessoas na rua após o abalo de hoje, em Srinigar, Índia.

© Danish Ismail / Reuters

O epicentro do sismo foi registado a 256km a nordeste de Cabul, a capital afegã

O epicentro do sismo foi registado a 256km a nordeste de Cabul, a capital afegã

O norte-americano USGS tinha inicialmente reportado uma magnitude de 7,7. O abalo foi registado às 13:39 locais (9:09 em Lisboa) com epicentro a 196 quilómetros de profundidade no nordeste do Afeganistão, numa área remota das montanhas Hindu Kush, uma cordilheira no Afeganistão e Paquistão Ocidental.

De acordo com a France Press, há 45 mortos confirmados no Paquistão, segundo o último balanço das autoridades. Na cidade de Peshawar, pelo menos 100 pessoas ficaram feridas, na sequência do desabamento de um edifício.

No Afeganistão, fonte do hospital de Nangahar relata a existência de cinco mortos e 55 feridos, segundo a Reuters. Na cidade de Taloqanwhile, 12 crianças morreram numa debandada, quando tentavam sair da escola.

As agência notíciosas adiantam que o sismo fez sair para a rua as populações de várias cidades do Paquistão e do norte da Índia, incluindo Nova Deli, onde os edifícios foram sacudidos pelo tremor de terra durante mais de um minuto. Na capital indiana, a circulação do metro foi interrompida temporariamente.

Em Cabul, a capital do Afeganistão, não há eletricidade em algumas áreas da cidade.

Na zona de Lahore, no Paquistão, as linhas telefónicas estão desligadas.

  • Mais de 160 mortos após sismo na Ásia
    2:03

    Mundo

    O número de mortos do violento sismo de 7,5 que sacudiu hoje o sul da Ásia não para de aumentar. As autoridades adiantam mais de 160 mortos no Paquistão e no Afeganistão. O abalo foi sentido também na Índia.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.