sicnot

Perfil

Mundo

Instalação de câmaras na Esplanada das Mesquitas provoca tensão

O acordo sobre a Esplanada das Mesquitas anunciado no sábado enfrentou hoje um primeiro obstáculo, com a fundação islâmica que administra o local sagrado a acusar Israel de impedir a aplicação das medidas decididas.

Cidade velha de Jerusalem, local sagrado para muçulmanos, judeus e católicos.

Cidade velha de Jerusalem, local sagrado para muçulmanos, judeus e católicos.

© Amir Cohen / Reuters

A divergência relaciona-se com a decisão de instalar câmaras de vigilância no complexo para evitar uma repetição dos incidentes violentos das últimas semanas.

A medida faz parte do acordo anunciado no sábado entre Israel, que controla o acesso ao local, e a Jordânia, guardiã dos lugares santos de Jerusalém, mediado pelos Estados Unidos.

Mas, hoje de manhã, a fundação islâmica Waqf, que administra a Esplanada das Mesquitas, afirmou ter sido impedida de instalar as câmaras pela polícia israelita, condenando "a ingerência israelita" e acusando Israel de querer "instalar câmaras que sirvam apenas os seus interesses e não os da verdade e da justiça".

Em resposta, o governo israelita afirmou em comunicado que "as disposições quanto à maneira e ao local" da instalação das câmaras têm de ser coordenadas com o governo israelita.

A Esplanada das Mesquitas fica em Jerusalém-leste, ocupada por Israel desde 1967, e nela se situa a mesquita de Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado para o Islão, que o designa como Nobre Santuário, e primeiro para o judaísmo, que o designa como Monte do Templo.

A instalação das câmaras suscitou a desconfiança de alguns dirigentes palestinianos, receosos de que o dispositivo sirva apenas para facilitar as detenções de palestinianos pela polícia israelita.

Segundo o primeiro-ministro israelita, no entanto, a videovigilância serve "o interesse de Israel" de "refutar as alegações de que viola o 'statu quo'" do local, de "mostrar de onde partem verdadeiramente as provocações" e de as impedir.

Palestinianos e jordanos acusam Israel que pretender mudar as regras, segundo as quais apenas os muçulmanos podem rezar na mesquita, para permitir aos judeus rezar no local e, a prazo, dividir a Esplanada entre judeus e muçulmanos. Israel nega.

Nas últimas semanas, a limitação do acesso dos homens muçulmanos ao local devido a um feriado hebraico deu origem a uma série de incidentes, que levaram à morte de 56 palestinianos, oito israelitas, um eritreu e um árabe-israelita.

Lusa

  • Mais dois esfaqueamentos em Israel
    2:37

    Mundo

    No Médio Oriente continua a onda de violência que começou há cerca de um mês. Hoje, registaram-se dois novos esfaqueamentos levados a cabo por palestianos contra israelitas. As imagens podem impressionar. São mostradas pelo correspondente da SIC em Telavive. Henrique Cymerman fala destes dois novos casos de violência, mas conta também como o esforço da diplomacia norte-americana começa a surtir efeito.

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza leva turistas a apresentarem queixa

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC