sicnot

Perfil

Mundo

Instalação de câmaras na Esplanada das Mesquitas provoca tensão

O acordo sobre a Esplanada das Mesquitas anunciado no sábado enfrentou hoje um primeiro obstáculo, com a fundação islâmica que administra o local sagrado a acusar Israel de impedir a aplicação das medidas decididas.

Cidade velha de Jerusalem, local sagrado para muçulmanos, judeus e católicos.

Cidade velha de Jerusalem, local sagrado para muçulmanos, judeus e católicos.

© Amir Cohen / Reuters

A divergência relaciona-se com a decisão de instalar câmaras de vigilância no complexo para evitar uma repetição dos incidentes violentos das últimas semanas.

A medida faz parte do acordo anunciado no sábado entre Israel, que controla o acesso ao local, e a Jordânia, guardiã dos lugares santos de Jerusalém, mediado pelos Estados Unidos.

Mas, hoje de manhã, a fundação islâmica Waqf, que administra a Esplanada das Mesquitas, afirmou ter sido impedida de instalar as câmaras pela polícia israelita, condenando "a ingerência israelita" e acusando Israel de querer "instalar câmaras que sirvam apenas os seus interesses e não os da verdade e da justiça".

Em resposta, o governo israelita afirmou em comunicado que "as disposições quanto à maneira e ao local" da instalação das câmaras têm de ser coordenadas com o governo israelita.

A Esplanada das Mesquitas fica em Jerusalém-leste, ocupada por Israel desde 1967, e nela se situa a mesquita de Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado para o Islão, que o designa como Nobre Santuário, e primeiro para o judaísmo, que o designa como Monte do Templo.

A instalação das câmaras suscitou a desconfiança de alguns dirigentes palestinianos, receosos de que o dispositivo sirva apenas para facilitar as detenções de palestinianos pela polícia israelita.

Segundo o primeiro-ministro israelita, no entanto, a videovigilância serve "o interesse de Israel" de "refutar as alegações de que viola o 'statu quo'" do local, de "mostrar de onde partem verdadeiramente as provocações" e de as impedir.

Palestinianos e jordanos acusam Israel que pretender mudar as regras, segundo as quais apenas os muçulmanos podem rezar na mesquita, para permitir aos judeus rezar no local e, a prazo, dividir a Esplanada entre judeus e muçulmanos. Israel nega.

Nas últimas semanas, a limitação do acesso dos homens muçulmanos ao local devido a um feriado hebraico deu origem a uma série de incidentes, que levaram à morte de 56 palestinianos, oito israelitas, um eritreu e um árabe-israelita.

Lusa

  • Mais dois esfaqueamentos em Israel
    2:37

    Mundo

    No Médio Oriente continua a onda de violência que começou há cerca de um mês. Hoje, registaram-se dois novos esfaqueamentos levados a cabo por palestianos contra israelitas. As imagens podem impressionar. São mostradas pelo correspondente da SIC em Telavive. Henrique Cymerman fala destes dois novos casos de violência, mas conta também como o esforço da diplomacia norte-americana começa a surtir efeito.

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.