sicnot

Perfil

Mundo

Rússia diz ter atingido 94 alvos terroristas num só dia na Síria

O exército russo anunciou hoje ter atingido 94 "alvos terroristas" na Síria nas últimas 24 horas, o que representa um recorde diário de bombardeamentos desde o início da sua intervenção, a 30 de setembro.

Imagem fornecida pelo Ministério da Defesa russo de um ataque contra uma "posição terrorista" em Aleppo, a 21 de outubro.

Imagem fornecida pelo Ministério da Defesa russo de um ataque contra uma "posição terrorista" em Aleppo, a 21 de outubro.

RUSSIAN DEFENCE MINISTRY PRESS SERVICE / HANDOUT

O Ministério da Defesa russo precisou num comunicado que os aviões russos efetuaram 59 saídas e bombardearam 94 alvos num só dia nas províncias de Hama (centro), Idleb (noroeste), Lattaquie (oeste), Alepo (noroeste), Deir Ezzor (leste) e na região da capital síria, Damasco.

Moscovo informou também que o exército realizou, nos últimos três dias, 164 saídas e que bombardeou um total de 285 alvos.

Segundo o ministério russo, um armazém de munições da Frente al-Nosra, o ramo sírio da Al-Qaida, foi destruído na província de Damasco.

A mesma fonte informou que três posições fortificadas do grupo extremista Estado Islâmico (EI) foram atingidas em Salma, na província de Lattaquie, acrescentando que uma oficina de montagem de veículos militares foi destruída na província de Hama.

As autoridades russas indicaram ainda ter destruído uma base do EI e um posto de comando na província de Alepo, e várias colunas que transportavam combustíveis e munições.

Na mesma nota informativa, o Ministério da Defesa russo desmentiu ter atingido, durante os seus bombardeamentos, um hospital de campanha em Sarmine, na província de Idleb, como denunciou a organização não-governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

"Antes de destruir um alvo terrorista, a informação é verificada durante um período superior a um dia e verificada através de múltiplos canais. E só quando estamos 100% seguros do alvo, a aviação realiza o ataque", garantiram as autoridades russas.

Desde o início da sua intervenção na Síria, a Rússia afirma que pretende atingir exclusivamente o grupo radical sunita EI e outros grupos "terroristas", em resposta a um pedido do regime de Damasco, liderado pelo Presidente Bashar al-Assad.

Washington e os seus aliados têm afirmado que os raides russos não estão apenas a atingir posições dos 'jihadistas', mas também estão a visar alvos civis e a oposição moderada que luta contra o regime de Bashar al-Assad, um aliado tradicional de Moscovo.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.