sicnot

Perfil

Mundo

400 milhões de animais escapam à indústria alimentar nos EUA em 2014

Os norte-americanos estão a comer menos carne. Uma tendência começa a dar alguns passos, largos o suficiente para se refletirem nas estatísticas. De acordo com a Sociedade Humanitária dos Estados Unidos, a maior organização de proteção animal dos Estados Unidos, 2014 foi o ano em que se abateram menos animais para a indústria alimentar.

© Mathieu Belanger / Reuters

Apesar de 93% dos norte-americanos ainda consumirem carne, são cada vez mais os que optam por outras soluções alimentares.

Um olhar rápido pelo gráfico publicado pelo Wall Street Journal, com dados do departamento de Agricultura dos EUA, revela essa tendência. Desde 2007 que o consumo de carne (vaca, porco, aves) está em queda. Passou de 66 Kg, per capita, em 2007 para 60 Kg em 2012.

Agora, a Sociedade Humanitária dos Estados Unidos, a maior organização de proteção animal dos Estados Unidos, com mais de 7 milhões de membros em todo o mundo, anuncia que 2014 foi o ano em que se abateram menos animais. 400 milhões para ser mais preciso num espaço de sete anos.

Em 2007 foram criados 9,5 mil milhões de animais para as indústrias alimentares. O número desceu em 2014 para os 9,1 mil milhões.

Consumo de carne de vaca e porco tem diminuído em Portugal, aumenta o de aves

O consumo de carne de vaca e de porco tem vindo a diminuir em Portugal desde 2008, enquanto a carne de aves tem vindo a conquistar maior lugar na alimentação dos portugueses.

"Desde que há registo, inverte-se pela primeira vez uma tendência: a carne de aves (animais de capoeira) cresce ao contrário da de bovino e a de suíno. Mesmo assim, a proporção de proteína de origem animal ainda está acima do desejável", refere o relatório Alimentação Saudável em Números 2014 da Direção-geral da Saúde, que recorre a dados do Instituto Nacional de Estatística entre os anos de 2008 e 2012.

De acordo com dados do INE, em 2008, a carne bovina tinha um peso no consumo de 19,6 quilos por habitante, que baixou para 16,7 em 2012.

Também a carne de porco registou a tendência decrescente, passando de um consumo de 47,1 quilos por habitante em 2008 para 43,3 quilos/habitante em 2012.

Já o consumo de carne de animais de capoeira foi aumentando, de 33,8 quilos/habitante em 2008 para 35,8 quilos em 2012.

De uma forma geral, registou-se entre 2008 e 2012 um decréscimo de consumo do grupo de alimentos "carne, pescado e ovos", que contudo "não foram suficientes para baixar substancialmente as disponibilidades excedentárias destes grupos".

  • Centro comercial em Manchester evacuado

    Mundo

    Um centro comercial foi evacuado esta manhã, no centro de Manchester. Testemunhas dizem ter ouvido um "grande estrondo". O incidente acontece horas depois do ataque na Manchester Arena, no final da atuação da cantora Ariana Grande, no qual morreram pelo menos 22 pessoas. O espaço comercial em Manchester foi entretanto reaberto. A polícia começou a retirar o cordão de segurança, pouco tempo depois de ser dado o alerta. Uma pessoa foi detida.

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.