sicnot

Perfil

Mundo

400 milhões de animais escapam à indústria alimentar nos EUA em 2014

Os norte-americanos estão a comer menos carne. Uma tendência começa a dar alguns passos, largos o suficiente para se refletirem nas estatísticas. De acordo com a Sociedade Humanitária dos Estados Unidos, a maior organização de proteção animal dos Estados Unidos, 2014 foi o ano em que se abateram menos animais para a indústria alimentar.

© Mathieu Belanger / Reuters

Apesar de 93% dos norte-americanos ainda consumirem carne, são cada vez mais os que optam por outras soluções alimentares.

Um olhar rápido pelo gráfico publicado pelo Wall Street Journal, com dados do departamento de Agricultura dos EUA, revela essa tendência. Desde 2007 que o consumo de carne (vaca, porco, aves) está em queda. Passou de 66 Kg, per capita, em 2007 para 60 Kg em 2012.

Agora, a Sociedade Humanitária dos Estados Unidos, a maior organização de proteção animal dos Estados Unidos, com mais de 7 milhões de membros em todo o mundo, anuncia que 2014 foi o ano em que se abateram menos animais. 400 milhões para ser mais preciso num espaço de sete anos.

Em 2007 foram criados 9,5 mil milhões de animais para as indústrias alimentares. O número desceu em 2014 para os 9,1 mil milhões.

Consumo de carne de vaca e porco tem diminuído em Portugal, aumenta o de aves

O consumo de carne de vaca e de porco tem vindo a diminuir em Portugal desde 2008, enquanto a carne de aves tem vindo a conquistar maior lugar na alimentação dos portugueses.

"Desde que há registo, inverte-se pela primeira vez uma tendência: a carne de aves (animais de capoeira) cresce ao contrário da de bovino e a de suíno. Mesmo assim, a proporção de proteína de origem animal ainda está acima do desejável", refere o relatório Alimentação Saudável em Números 2014 da Direção-geral da Saúde, que recorre a dados do Instituto Nacional de Estatística entre os anos de 2008 e 2012.

De acordo com dados do INE, em 2008, a carne bovina tinha um peso no consumo de 19,6 quilos por habitante, que baixou para 16,7 em 2012.

Também a carne de porco registou a tendência decrescente, passando de um consumo de 47,1 quilos por habitante em 2008 para 43,3 quilos/habitante em 2012.

Já o consumo de carne de animais de capoeira foi aumentando, de 33,8 quilos/habitante em 2008 para 35,8 quilos em 2012.

De uma forma geral, registou-se entre 2008 e 2012 um decréscimo de consumo do grupo de alimentos "carne, pescado e ovos", que contudo "não foram suficientes para baixar substancialmente as disponibilidades excedentárias destes grupos".

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.