sicnot

Perfil

Mundo

Cuba dececionada com voto contra de EUA e Israel ao fim do embargo na ONU

O ministro de Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodriguez Parilla, manifestou hoje a sua deceção pelo voto contra dos Estados Unidos ao fim do embargo à ilha, numa votação histórica realizada hoje na Assembleia-geral das Nações Unidas.

© Jonathan Ernst / Reuters

"Sinto-me dececionado com o voto dos EUA. Há poucas horas o governo dos EUA votou contro o fim do bloqueio. A fundamentação que apresentou na Assembleia-geral resulta francamente insubstancial", declarou Parilla aos jornalistas.

O resultado da votação foram 191 votos favoráveis, nenhuma abstenção e dois votos contra (Estados Unidos e Israel).

O embargo imposto pelos EUA é um dos mais longos da humanidade e foi decretado a 07 de fevereiro de 1962.

O ministro cubano disse que esperava encontrar um voto consistente com as obrigações jurídicas internacionais dos Estados Unidos.

"Isso não ocorreu hoje e resulta dececionante", admitiu.

Parilla reclamou que as justificações para o voto contra da delegação americana não apresentaram fundamentos no ponto de vista do poder Executivo de introduzir modificações reais à aplicação do bloqueio.

O discurso americano na Assembleia-geral da ONU reconhece os progressos em matéria diplomática alcançado nos últimos meses e reafirma o engajamento do Presidente Barack Obama no debate com o Congresso para o fim do bloqueio.

"Em essência, a explicação resulta profundamente contraditória e inconsistente com a nova política anunciada", criticou.

Nas palavras do governante cubano, a comunidade internacional expressou "praticamente de forma unânime" o seu apoio ao levantamento do bloqueio económico.

Parilla definiu o embargo como uma política obsoleta que causou "consideráveis danos humanos e económicos ao povo cubano".

O embargo ainda adquire uma dimensão humanitária, destacou, ao ser uma "violação maciça, flagrante e sistemática dos direitos humanos de todos os cubanos".

Parilla disse ainda que o bloqueio contra Cuba é um "ato totalmente unilateral" dos EUA e sustentou que esta política prejudica o interesse nacional dos americanos.

O ministro cubano reclamou, por outro lado, que passados 10 meses, desde 17 de dezembro de 2014, quando foram retomadas as relações entre o líder Raúl Castro e Barack Obama, o Congresso dos EUA ainda não aprovou nenhuma emenda ou legislação dirigida a eliminar o bloqueio.

"Inclusive, foram introduzidas propostas de legislação no Congresso americano destinadas a reforçar a aplicação de alguns aspetos do bloqueio ou impedir o Presidente dos EUA de utilizar poderes executivos para modificar a sua aplicação", declarou Parilla.

Nas palavras de Parilla, Cuba nunca aplicou nenhuma "medida discriminatória" contra companhias e homens de negócios americanos.

"Nunca levantou o menor obstáculo contra investimentos ou comércio com os EUA. Cuba não impede, se não que favorece as visitas dos cidadãos norte-americanos".

Castro e Obama já se reuniram duas vezes desde a retoma das relações, em dezembro de 2014. O primeiro encontro foi em abril, na Cimeira das Américas, no Panamá. A última vez em que os dois presidentes se viram foi a 29 de setembro à margem da Assembleia Geral da ONU.

Em 10 meses, os países reabriram as embaixadas em Havana e Washington e relaxaram restrições de viagens.

Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Proteção Civil aponta falhas do SIRESP, operadora diz que esteve à altura do fogo
    4:22
  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.