sicnot

Perfil

Mundo

Facebook processado por manter "online" páginas que incitam a ataques aos judeus

A organização não governamental (ONG) israelita Shurat HaDin revelou hoje ter avançado com um processo contra o Facebook, por a rede social manter "online" várias páginas que incentivam ao assassinato de judeus.

© Rick Wilking / Reuters

A decisão da organização surge após uma onda de ataques de palestinianos ter causado a morte a nove israelitas.

Nitsana Darshan-Leitner, diretor da Shurat HaDin, que avançou com a ação num tribunal nova-iorquino na segunda-feira, exorta a empresa a remover as mais de mil páginas incendiárias e melhorar os seus mecanismos de monitorização.

"Da mesma forma que podem dizer que café bebemos pela manhã, que podem apresentar-nos anúncios ou sugerir-nos amigos com interesses semelhantes, podem monitorizar essas ameaças e apagar as mensagens de encorajamento e de glorificação de ataques terroristas", afirmou Darshan-Leitner à agência France-Presse (AFP).

Cerca de 20.000 israelitas têm apoiado o movimento numa petição 'online', acrescentou o advogado ativista, cuja organização se dedica a ações legais destinadas a salvaguardar os direitos dos judeus.

Na lista de apoiantes figura o nome de Richard Lakin, ali colocado pela família após o homem de 76 anos ter sucumbido aos ferimentos causados pelos disparos e pelo esfaqueamento de que foi alvo num autocarro em Jerusalém Oriental há duas semanas.

O seu filho, Micah Avni Lakin, disse aos jornalistas que o pai era um usuário interessado das redes sociais e considerou que tem de ser repensada a forma como estas são vistas e utilizadas.

"Colocar no Facebook ou no Twitter instruções específicas sobre como deixar alguém de peito aberto e cortar os seus intestinos, como fizeram ao meu pai, é completa e totalmente inaceitável", disse Micah Lakin aos repórteres, revelando que expressou recentemente a mesma opinião ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.