sicnot

Perfil

Mundo

Cinco anos de prisão para homem que fingiu ser a mulher do rei de Marrocos

Um tribunal marroquino condenou a cinco anos de prisão efetiva um homem que se fez passar pela mulher do rei de Marrocos Mohammed VI durante uma conversa telefónica com um campeão mundial de boxe, divulgou hoje a imprensa local.

© Thierry Gouegnon / Reuters

A instância judicial "condenou a cinco anos de prisão o acusado, que tem a capacidade de imitar vozes e que já tinha enganado muitas vítimas", segundo o jornal marroquino independente Akhbar al-Yaoum.

O diário referiu que o julgamento foi realizado na passada segunda-feira, três dias após a detenção do acusado, identificado como um jovem marroquino.

Na sexta-feira, a direção-geral de segurança nacional marroquina anunciou que "um suspeito tinha utilizado indevidamente a identidade da mulher do rei [de Marrocos] a princesa Salma, ao imitar a voz da princesa durante uma conversa telefónica com o pugilista marroquino Mohamed Rabii, campeão mundial de boxe amador, numa tentativa de burla".

Rabii, que conquistou a 15 de outubro em Doha (Qatar) o campeonato do mundo de boxe amador na categoria de 69 quilos, afirmou durante um programa de televisão que tinha sido felicitado ao telefone pela princesa Salma.

"O suspeito tinha saído recentemente da prisão e já tinha cumprido pena por fraude. Ele imita as vozes de personalidades (...) fazendo crer às suas vítimas que irá intervir em seu nome para que recebam benefícios e privilégios fictícios", informou ainda a direção-geral de segurança nacional marroquina.

Segundo a comunicação social marroquina, "o acusado admitiu os factos perante a polícia e o tribunal".

Um caso com contornos semelhantes aconteceu em setembro de 2014 na localidade marroquina de Tetouan (norte). Na altura, um homem foi condenado a três anos de prisão por usurpação de identidade do rei Mohammed VI.

Lusa

  • Descida da TSU inconstitucional?
    2:37

    TSU

    Especialistas ouvidos pela SIC põem em causa a constitucionalidade da descida da Taxa Social Única dos patrões, como contrapartida pelo aumento do salário mínimo. Como se trata de um imposto pago pelas empresas, só o Parlamento pode decidir uma alteração nas taxas. Neste caso, o Governo decidiu sozinho.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.