sicnot

Perfil

Mundo

Economist diz que protestos políticos em Angola têm tendência para aumentar

A Economist Intelligence Unit (EIU) considera que os protestos políticos em Angola deverão aumentar e que o Governo deve continuar a "reprimir duramente" tudo o que considere ser uma ameaça à estabilidade ou à sua hegemonia.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Stringer . / Reuters

"O Governo deve continuar a reprimir duramente tudo o que considere ser uma ameaça à estabilidade ou à sua hegemonia", escrevem os analistas da unidade de análise da revista britânica The Economist, acrescentando que "a sensibilidade aos protestos está a aumentar durante o ambiente económico difícil, com o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), no poder, e os serviços de segurança envolvidos nas repressões, detenções preventivas e julgamentos mediáticos dos seus críticos".

Na nota de análise, enviada aos investidores ainda antes de o ativista Luaty Beirão ter terminado a greve de fome, e a que a Lusa teve acesso, alerta-se que esta dureza pode ter um efeito contrário aos interesses do Executivo: "os movimentos de protestos são relativamente pequenos, ainda que estejam a aumentar, mas a intolerância do Governo à mais pequena crítica, e o crescente catálogo de alegações sobre crueldade policial, podem levar a uma instabilidade sustentada".

Na opinião da EIU, "a raiva surge do estado de fraqueza da economia e é alimentada pela falta de mudanças políticas", e a nota de análise lembra que "José Eduardo dos Santos, que tem sido o chefe de Estado desde 1979, e segundo a Constituição adotada em 2010, pode, em teoria, permanecer no poder até 2022".

Na análise sobre as tendências políticas, a EIU considera que o Executivo vai "continuar a procurar promover o crescimento estável e inclusivo e a criação formal de empregos, bem como programas importantes sociais e de infraestruturas, apesar dos constrangimentos impostos pelo ambiente de preços baixos do petróleo, que tiveram um impacto substancial na receita pública".

O objetivo, adiantam, é "fomentar o desenvolvimento de médias empresas que possam gerar emprego e transferir competências para os angolanos", e o Governo continua "empenhado em aumentar a produção local, que tem dificuldades em competir com as importações mais baratas".

Para a EIU, "é questionável, no entanto, que os produtores domésticos consigam ser capazes de estar à altura da procura crescente por causa dos constrangimentos do lado da oferta", materializadas num conjunto de dificuldades que ficaram ainda mais expostas com a descida dos preços do petróleo e a consequente quebra na receita do Estado.

O desenvolvimento de um setor privado dinâmico, um dos objetivos da nova lei do investimento privado e do código do trabalho, "vai continuar a ser dificultado pelo capital humano deficiente, fraca regulação, ineficiente geração de energia, altos níveis de corrupção e esmagamento do investimento privado pelo setor público", conclui a EIU.

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.