sicnot

Perfil

Mundo

França descarta extradição de dois pilotos condenados na República Dominicana

O Governo de Paris descartou hoje a possibilidade de extraditar os dois pilotos franceses que fugiram da República Dominicana, onde foram condenados por tráfico de droga.

reuters

"A França vai aplicar as regras do Direito. Não extraditamos cidadãos franceses quando se encontram no nosso território", disse o porta-voz do governo, Stéphane Le Foll, à rádio RTL.

A justiça dominicana anunciou na terça-feira que se prepara para lançar um mandado de prisão internacional contra os dois pilotos, atualmente em França.

De acordo com uma fonte próxima do processo, citada pela agência AFP, foi de barco e de avião, por via de Saint Martin e de Martinica, que Pascal Fauret, de 55 anos, e Bruno Odos, de 56, conseguiram regressar ao país.

Stéphane Le Foll não quis abordar diretamente a questão de uma eventual detenção de Pascal Fauret e Bruno Odos, condenados, em primeira instância, a uma pena de 20 anos de prisão por tráfico de droga, e que estavam em liberdade ainda que impossibilitados de sair da República Dominicana, enquanto aguardavam pelo julgamento em segunda instância.

O mesmo responsável indicou ainda que a embaixada francesa na República Dominicana vai continuar a prestar ajuda consular aos outros dois franceses condenados no mesmo processo, e que esperam no país caribenho pelo processo de recurso.

Os quatro franceses foram detidos no aeroporto de Punta Cana, no leste do país, em março de 2013, quando se preparavam para descolar rumo a Saint-Tropez num avião Falcon em que as autoridades dominicanas descobriram cerca de 700 quilogramas de cocaína, no valor de 30 milhões de euros.

Os pilotos, que desde então garantiram desconhecer o conteúdo das 26 malas onde estava a droga, justificaram a sua fuga para França com o argumento de que não há justiça na República Dominicana e que foram condenados por serem franceses.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.