sicnot

Perfil

Mundo

França descarta extradição de dois pilotos condenados na República Dominicana

O Governo de Paris descartou hoje a possibilidade de extraditar os dois pilotos franceses que fugiram da República Dominicana, onde foram condenados por tráfico de droga.

reuters

"A França vai aplicar as regras do Direito. Não extraditamos cidadãos franceses quando se encontram no nosso território", disse o porta-voz do governo, Stéphane Le Foll, à rádio RTL.

A justiça dominicana anunciou na terça-feira que se prepara para lançar um mandado de prisão internacional contra os dois pilotos, atualmente em França.

De acordo com uma fonte próxima do processo, citada pela agência AFP, foi de barco e de avião, por via de Saint Martin e de Martinica, que Pascal Fauret, de 55 anos, e Bruno Odos, de 56, conseguiram regressar ao país.

Stéphane Le Foll não quis abordar diretamente a questão de uma eventual detenção de Pascal Fauret e Bruno Odos, condenados, em primeira instância, a uma pena de 20 anos de prisão por tráfico de droga, e que estavam em liberdade ainda que impossibilitados de sair da República Dominicana, enquanto aguardavam pelo julgamento em segunda instância.

O mesmo responsável indicou ainda que a embaixada francesa na República Dominicana vai continuar a prestar ajuda consular aos outros dois franceses condenados no mesmo processo, e que esperam no país caribenho pelo processo de recurso.

Os quatro franceses foram detidos no aeroporto de Punta Cana, no leste do país, em março de 2013, quando se preparavam para descolar rumo a Saint-Tropez num avião Falcon em que as autoridades dominicanas descobriram cerca de 700 quilogramas de cocaína, no valor de 30 milhões de euros.

Os pilotos, que desde então garantiram desconhecer o conteúdo das 26 malas onde estava a droga, justificaram a sua fuga para França com o argumento de que não há justiça na República Dominicana e que foram condenados por serem franceses.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.