sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch denuncia violência policial no México

Agentes da polícia federal mexicana terão executado ilegalmente pelo menos 11 pessoas durante dois tiroteios em 2015 no estado de Michoacán (oeste), refere um relatório hoje divulgado pela Human Rights Watch (HRW).

© Henry Romero / Reuters

Diversas testemunhas destes dois sangrentos acontecimentos, em que foram mortos 50 civis, declararam "ter visto polícias a executar civis não armados durante os disparos, e quando as situações já estavam controladas", indicia aquela organização não governamental (ONG) com sede em Nova Iorque.

No entanto, "a reação do Governo foi negar o recurso ilegítimo à força e limitar-se a apresentar as vítimas como agressores", acrescenta o relatório.

"Nenhum polícia foi preso" pelo que sucedeu em Apatzingan em 06 de fevereiro, onde oito civis encontraram a morte, e em Tanhuato em 22 de maio, durante uma troca de tiros que provocou a morte de 43 pessoas, incluindo um polícia, precisa o relatório da HRW.

Uma fonte da Comissão nacional de segurança, contactada pela agência noticiosa France Presse, recusou qualquer comentário.

A tragédia de Apatzingan ocorreu após uma concentração de civis, membros de milícias de autodefesa que protegiam a população contra o cartel narcotraficante dos Cavaleiros Templários frente à câmara municipal da cidade.

Uma testemunha citada pela ONG afirmou que os disparos eclodiram após a manifestação, e que os polícias abriram fogo indiscriminadamente, matando dois civis que estavam por terra.

O Governo mexicano afirma que os manifestantes abriram fogo, mas a ONG recebeu um vídeo de vigilância proveniente das mesmas autoridades em que se confirma que os civis não estavam armados.

Em Tanhuato, uma comunidade de 15 mil habitantes, 42 civis e um polícia foram mortos durante uma operação da polícia.

"Um investigador dos direitos humanos", que interrogou três detidos que assistiram à cena, afirmou à ONG "que após o tiroteio inicial, diversos polícias executaram pessoas não armadas que tentaram escapar dos locais onde estavam a ser vigiadas".

No total, segundo as testemunhas, nove civis foram mortos de forma abusiva neste incidente.

As forças policiais e militares mexicanas são regularmente acusadas de abusos e de violência.

Recentemente, sete militares foram detidos pela presumível execução de oito civis durante um confronto que provocou 22 vítimas em junho de 2014, mas quatro dos acusados foram depois libertados por falta de provas.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.