sicnot

Perfil

Mundo

Justiça turca pede prisão para crianças que arrancaram cartazes de Erdogan

A justiça turca pediu penas de prisão contra dois rapazes, de 12 e 13 anos, acusados de "ofensa ao presidente" por arrancarem cartazes com a imagem do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, noticiou hoje o diário Radikal.

A procuradoria da cidade de Diyarbakir (sudeste da Turquia) pediu que as duas crianças, detidas a 1 de maio, sejam condenadas a penas de um a quatro anos de prisão.

"Vinha com o meu primo do mercado e arrancámos os cartazes para vender o papel aos que fazem reciclagem. Não prestámos atenção à imagem, não sabíamos quem era. Só queríamos vender o papel", disse um dos rapazes.

Segundo o código penal turco, tratando-se de menores, a condenação não pode ser superior a dois anos de prisão.

A justiça turca tem aberto nos últimos anos numerosos processos por "ofensas ao Presidente", vários deles contra menores, embora um dos mais polémicos tenha sido o instaurado contra a ex-Miss Turquia Merve Buyuksaraç por ter partilhado numa rede social um poema satírico que nem sequer mencionava o nome ou o cargo do presidente.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".