sicnot

Perfil

Mundo

Liberdade de acesso à Internet no mundo recua pelo quinto ano

A liberdade de acesso à Internet retrocedeu pelo quinto ano consecutivo em todo o mundo, de acordo com um relatório divulgado hoje pela Freedom House que denota "recuos notáveis" na Líbia, Ucrânia e França.

© Dado Ruvic / Reuters

Quase seis em cada dez pessoas (58%) em todo o mundo vivem num país onde internautas ou 'bloggers' foram presos por terem partilhado 'online' conteúdos de cariz político, social ou religioso, refere o relatório anual da organização de defesa de Direitos Humanos.

A liberdade de expressão na Internet caiu em 32 dos 65 países analisados pela Freedom House desde junho de 2014, tendo sido registados "declínios notáveis" na Líbia, França e, pelo segundo ano consecutivo, na Ucrânia, devido ao conflito territorial e à "guerra propagandística" com a Rússia, refere a Freedom House em comunicado.

"A posição da França diminuiu sobretudo por causa das problemáticas políticas adotadas na sequência dos atentados terroristas do [jornal satírico] Charlie Hebdo" em janeiro, explica a organização.

A ONG cita, a título de exemplo, a lei que reforça os poderes dos serviços de informações, em nome da luta contra o terrorismo, aprovada pelo parlamento francês em junho. Um diploma que define um regime de autorização e de controlo de técnicas de espionagem, como escutas, vigilância com câmaras ocultas ou acesso a redes de telecomunicações.

Pese embora o declínio, a França figura no nono lugar entre os 18 países classificados como "livres" -- com 24 pontos contra 20 em 2014, numa escala em que 0 reflete o mais alto grau de liberdade.

A Líbia, colocada entre as 28 nações "parcialmente livres", viu a sua pontuação no 'ranking' cair depois de junho do ano passado devido "à inquietante violência contra 'bloggers', novos casos de censura política e aumento dos preços dos serviços de Internet e telemóveis".

Depois da primavera árabe de 2011 e do papel desempenhado à época pelas redes sociais, a maioria dos governos do Magrebe e do Médio Oriente reforçou o seu controlo sobre a Internet, de acordo com o relatório, que versa sobre o período compreendido entre 01 de janeiro e 31 de dezembro de 2014.

Aliás, segundo a ONG, 14 governos de um total de 65 países aprovaram leis ao longo do ano passado para reforçar a vigilância 'online'.

A Freedom House identificou ainda uma nova tendência em 2015: "Os governos estão fazer cada vez mais pressão sobre os indivíduos e setor privado", através de grupos como o Alphabet (ex-Google), Facebook ou Twitter, de modo a que estes retirem conteúdos, em vez de serem eles a censurá-los diretamente.

A China apresenta a pior marca do relatório (88 pontos), enquadrando-se no conjunto de 19 países "não livres", atrás da Síria e Iraque em ex-aequo (87 pontos).

O "melhor aluno" é a Islândia (6 pontos), seguida da Estónia, Canadá, Alemanha, Austrália, Estados Unidos, Japão e Itália.

Lusa

  • Voluntários portugueses rumam ao México com cães de salvamento
    1:59

    Mundo

    Nuno Vieira e Marco Saraiva são voluntários de Braga. Com os seus dois cães, "Koi" e "Yuki", formam uma equipa de resgate e partem esta noite para o México, para ajudar na busca e salvamento de vítimas do terramoto que abalou o país esta terça-feira. A equipa portuguesa faz parte de uma ONG espanhola.

  • Furacão Maria deixa rasto de destruição em Porto Rico
    1:16
  • "Desistam desta escalada de radicalismo e desobediência"
    3:35
  • Como acabar com o cyberbulling? Os internautas aconselham Melania Trump

    Mundo

    Melania Trump está a ser alvo de piadas na internet, depois de ter dado um discurso, a propósito da Assembleia-Geral da ONU, sobre cyberbulling. Uns destacaram que a primeira-dama estava a falar de pobreza com um vestido de 3.000 dólares (cerca de 2.500 euros). Outros lembraram a ironia do discurso com as atitudes de Donald Trump, acusando-o de ser um bullie, que deveria ser parado, e que o primeiro passo seria impedir a presença o Presidente norte-americano no Twitter.

    SIC

  • Sabe onde fica a Nambia? Algures em África, segundo Trump

    Mundo

    "O sistema de saúde na Nambia é incrivelmente autossuficiente", declarou o Presidente dos Estados Unidos num discurso proferido num almoço com líderes africanos. No encontro, realizado esta quarta-feira à margem da 72.ª Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, Donald Trump repetiu o erro. Os utilizadores das redes sociais não perdoaram mais este "lapso" do chefe de Estado norte-americano.

  • DGS garante que não há perigo de dengue
    2:09

    País

    Foi detectada em Penafiel a presença de uma espécie de mosquito potencialmente transmissora de dengue. No entanto, a diretor-geral da Saúde, Francisco George, garante que nenhum dos mosquitos estava infetado, não havendo assim riscos para a saúde humana. O mosquito de origem asiática já se espalhou por vários países europeus.

  • José Cid denuncia poluição em ribeira de Mogofores
    2:03

    País

    Uma descarga poluente matou peixes e outros seres vivos num curso de água que alimenta o rio Cértima, em Anadia. Um dos moradores revoltados com o cenário é o cantor José Cid, proprietário de uma quinta onde passa a ribeira, cuja água é habitualmente usada para regar os campos agrícolas.

  • Contra a endogamia académica
    2:40

    País

    As universidades públicas contratam sobretudo professores formados na própria instituição. O estudo recente da Direção-geral de Estatísticas da Educação e Ciência revela que o mérito não tem sido o requisito privilegiado. A endogamia académica é o conceito que se tenta agora inverter a bem da qualidade cientêntifica, da criatividade e da inovação.

  • Episódio da Abelha Maia censurado por queixas de obscenidade

    Cultura

    A plataforma digital Netflix viu-se obrigada a retirar um episódio da Abelha Maia depois das queixas de pais norte-americanos por causa de um "desenho obsceno", em forma de pénis. Aparentemente, terá sido só removido para quem acede nos EUA dado que, ao que a SIC pôde constatar, a partir de Portugal o episódio 35 está disponível.

  • Yoko Ono obriga limonada "John Lemon" a mudar de nome

    Cultura

    A viúva do Beatle John Lennon ameaçou processar uma empresa de bebidas polaca por causa da limonada "John Lemon". Yoko Ono não terá gostado do trocadilho entre Lennon e Lemon (limão, em inglês) e quer ver toda e qualquer garrafa com este rótulo retirada do mercado.