sicnot

Perfil

Mundo

Liberdade de acesso à Internet no mundo recua pelo quinto ano

A liberdade de acesso à Internet retrocedeu pelo quinto ano consecutivo em todo o mundo, de acordo com um relatório divulgado hoje pela Freedom House que denota "recuos notáveis" na Líbia, Ucrânia e França.

© Dado Ruvic / Reuters

Quase seis em cada dez pessoas (58%) em todo o mundo vivem num país onde internautas ou 'bloggers' foram presos por terem partilhado 'online' conteúdos de cariz político, social ou religioso, refere o relatório anual da organização de defesa de Direitos Humanos.

A liberdade de expressão na Internet caiu em 32 dos 65 países analisados pela Freedom House desde junho de 2014, tendo sido registados "declínios notáveis" na Líbia, França e, pelo segundo ano consecutivo, na Ucrânia, devido ao conflito territorial e à "guerra propagandística" com a Rússia, refere a Freedom House em comunicado.

"A posição da França diminuiu sobretudo por causa das problemáticas políticas adotadas na sequência dos atentados terroristas do [jornal satírico] Charlie Hebdo" em janeiro, explica a organização.

A ONG cita, a título de exemplo, a lei que reforça os poderes dos serviços de informações, em nome da luta contra o terrorismo, aprovada pelo parlamento francês em junho. Um diploma que define um regime de autorização e de controlo de técnicas de espionagem, como escutas, vigilância com câmaras ocultas ou acesso a redes de telecomunicações.

Pese embora o declínio, a França figura no nono lugar entre os 18 países classificados como "livres" -- com 24 pontos contra 20 em 2014, numa escala em que 0 reflete o mais alto grau de liberdade.

A Líbia, colocada entre as 28 nações "parcialmente livres", viu a sua pontuação no 'ranking' cair depois de junho do ano passado devido "à inquietante violência contra 'bloggers', novos casos de censura política e aumento dos preços dos serviços de Internet e telemóveis".

Depois da primavera árabe de 2011 e do papel desempenhado à época pelas redes sociais, a maioria dos governos do Magrebe e do Médio Oriente reforçou o seu controlo sobre a Internet, de acordo com o relatório, que versa sobre o período compreendido entre 01 de janeiro e 31 de dezembro de 2014.

Aliás, segundo a ONG, 14 governos de um total de 65 países aprovaram leis ao longo do ano passado para reforçar a vigilância 'online'.

A Freedom House identificou ainda uma nova tendência em 2015: "Os governos estão fazer cada vez mais pressão sobre os indivíduos e setor privado", através de grupos como o Alphabet (ex-Google), Facebook ou Twitter, de modo a que estes retirem conteúdos, em vez de serem eles a censurá-los diretamente.

A China apresenta a pior marca do relatório (88 pontos), enquadrando-se no conjunto de 19 países "não livres", atrás da Síria e Iraque em ex-aequo (87 pontos).

O "melhor aluno" é a Islândia (6 pontos), seguida da Estónia, Canadá, Alemanha, Austrália, Estados Unidos, Japão e Itália.

Lusa

  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.