sicnot

Perfil

Mundo

Luaty Beirão sem previsão de regresso à prisão após greve de fome

O previsível regresso do ativista angolano Luaty Beirão à prisão, após 36 dias em greve de fome que obrigou à transferência para uma clínica privada, ainda não tem data prevista, informou à Lusa o diretor nacional dos Serviços Penitenciários.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Contactado pela Lusa, o diretor nacional dos Serviços Prisionais angolanos, António Fortunato, explicou que Luaty Beirão está a ser acompanhado por elementos dos serviços médicos prisionais, além da equipa médica da clínica privada de Luanda onde está internado, sob detenção, desde 15 de outubro.

"Estamos a tratar disso. Ainda não estamos em condições de dar esse tipo de informação", disse ainda António Furtado, questionado pela Lusa e garantindo que Luaty Beirão apresenta agora um quadro "estável" e em recuperação.

O músico e ativista, que também tem nacionalidade portuguesa, é um dos 15 angolanos em prisão preventiva desde junho, sob acusação de atos preparatórios para uma rebelião em Angola e um atentado contra o Presidente da República.

A greve de fome de Luaty Beirão, cujo fim foi anunciado na terça-feira, visou protestar contra o alegado excesso de prisão preventiva e exigindo aguardar julgamento em liberdade, conforme prevê a lei angolana para este tipo de crime.

Os restantes 14 aguardam julgamento - agendado para entre 16 e 20 de novembro - no hospital-prisão de São Paulo, em Luanda, tendo Luaty Beirão pedido anteriormente para sair da clínica privada onde se encontra por precaução para se juntar aos colegas, em solidariedade.

Durante a greve de fome, Luaty Beirão perdeu 23 quilogramas e como explicou à Lusa a mulher, Mónica Almeida, ainda apresenta um quadro clínico de alguma preocupação, tendo iniciado um processo de realimentação, durante alguns dias, com base em líquidos.

"Todos os minutos pesavam e pensávamos que pudesse acontecer o pior. Agora estamos bastante mais aliviados, sim", confessou Mónica Almeida, em declarações à Lusa na terça-feira, apesar de ainda estar apreensiva com o peso perdido pelo marido em 36 dias de greve de fome.

O 'rapper' e ativista luso-angolano terminou a greve de fome de protesto, mas avisou que não vai desistir de lutar.

"Estou inocente do que nos acusam e assumo o fim da minha greve. Sem resposta quanto ao meu pedido para aguardamos o julgamento em liberdade, só posso esperar que os responsáveis do nosso país também parem a sua greve humanitária e de justiça", afirma Luaty Beirão, na carta enviada pela família à Lusa na terça-feira, anunciando o fim da greve de fome.

"À sociedade: Não vou desistir de lutar, nem abandonar os meus companheiros e todas as pessoas que manifestaram tanto amor e que me encheram o coração. Muito obrigado. Espero que a sociedade civil nacional e internacional e todo este apoio dos media não pare", escreve Luaty Beirão na mesma declaração, sob o título "Carta aos meus companheiros de prisão".

Lusa

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • Quer conhecer os cães mais feios do mundo?
    1:15

    Mundo

    Na Califórnia, nos Estados Unidos, já foi eleito o cão mais feio do mundo de 2017, num concurso que se repete há 29 anos. Com 57 quilos, Martha recebeu a distinção enquanto ressonava no palco.