sicnot

Perfil

Mundo

Polícia britânica reduz investigação ao desaparecimento de Madeleine McCann

A polícia britânica anunciou hoje ter reduzido a equipa de investigação ao desaparecimento, em 2007 no Algarve, de Madeleine McCann, alegando estar só a seguir um pequeno número de linhas de investigação.

© STR New / Reuters

O número de agentes dedicados à "Operação Grange", iniciada em 2011, foi reduzido de 29 para apenas quatro, liderados pela inspetora-chefe Nicola Wall.

"O inquérito não chegou a uma conclusão, ainda existem linhas focadas de investigação a serem seguidas", refere um comunicado hoje divulgado.

Porém, as autoridades britânicas consideram ter sido concluído a principal parte do trabalho, que implicou reunir e analisar os processos de investigação das polícias portuguesa e britânica e dos investigadores privados contratados pelos pais da criança.

Ao todo, foram revistos mais de 40.000 documentos, muitos dos quais tiveram de ser traduzidos para inglês, recolhidos 1.338 depoimentos e 1.027 objetos, determinadas 7.154 diligências e identificadas 560 linhas de investigação, tendo sido enviadas mais de 30 cartas rogatórias internacionais.

A polícia britânica afirma também ter investigado mais de 60 "pessoas de interesse", considerado um total de 650 criminosos sexuais e averiguados testemunhos de 8.685 potenciais avistamentos de Madeleine em todo o mundo.

Ao longo deste tempo recebeu, em média, duas centenas de emails por semana - só na sequência do apelo feito em outubro de 2013 em três países foram mais de 7.000 respostas.

"A polícia portuguesa continua a liderar a investigação e nossa equipa vai continuar a apoiar o seu inquérito. Eles foram muito atenciosos com a 'Operação Grange' e mantemos uma estreita relação de trabalho. Eu sei que eles permanecem totalmente comprometidos a investigar o desaparecimento de Madeleine com o apoio da Polícia Metropolitana", disse o comissário adjunto da Scotland Yard, Mark Rowley.

Por seu lado, Kate e Gerry McCann, pais de Madeleine, manifestaram compreensão pela redução dos meios e agradeceram o "trabalho minucioso e meticuloso" feito pela polícia britânica.

"Embora não saibamos o que aconteceu a Madeleine, temos esperança de que ela ainda possa ser encontrada dadas as linhas de investigação em curso", adiantaram, citados no mesmo comunicado.

Segundo o governo britânico, o custo acumulado da investigação ascendia, até ao final de junho, a 10,1 milhões de libras (14 milhões de euros), estando orçamentados para 2015 mais dois milhões de libras (três milhões de euros).

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

Foi após um apelo público dos pais de Madeleine ao primeiro-ministro britânico, David Cameron que foi aberta em 2011 a "Operação Grange", tendo no ano seguinte sido determinada a abertura de um inquérito formal.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.