sicnot

Perfil

Mundo

Sonda Cassini fez aproximação histórica à lua gelada de Saturno

A sonda Cassini fez hoje uma aproximação histórica a Encelado, lua gelada de Saturno, ao posicionar-se a 49 quilómetros sobre a região polar sul, permitindo fornecer dados mais precisos sobre a sua composição, anunciou a NASA.

© NASA NASA / Reuters

Segundo a agência espacial norte-americana, a aproximação a Encelado não visa procurar vida, mas obter informação sobre a quantidade de atividade hidrotermal que ocorre na lua de Saturno e sobre o impacto desta química na capacidade do seu oceano para acolher formas de vida simples.

"A confirmação de hidrogénio molecular na nuvem [de partículas geladas que emanam do polo sul] seria uma linha independente de prova de que há atividade hidrotermal no oceano de Encelado", disse, citado pela agência Efe, um dos membros da missão, Hunter Waite, acrescentando que a quantidade de hidrogénio revelará a quantidade de atividade hidrotermal.

A sonda Cassini, que orbita Saturno desde 2004, é um projeto conjunto da NASA, da agência espacial europeia ESA e da congénere italiana ASI.

Em anteriores aproximações a Saturno, não tão próximas, a sonda detetou que Encelado tinha uma atividade geológica assinalável, incluindo uma nuvem de gelo, vapor de água e moléculas orgânicas que emanam da região polar sul.

Posteriormente, a missão concluiu que esta lua de Saturno tem um oceano e, provavelmente, atividade hidrotermal, o que significa que pode ter "os ingredientes necessários para permitir a vida simples".

Em 2010, a NASA decidiu prolongar a missão da sonda até 2017, permitindo aos cientistas estudar as alterações climáticas em Saturno e nas suas luas.

A Cassini continua, por isso, a observar os anéis do planeta, a sua magnetosfera e a sua estrutura interna.

Lusa

  • António Guterres, "o governante mais amado desde sempre em democracia"
    2:27

    País

    António Guterres foi distinguido com o grau de honoris causa pela Universidade de Lisboa. A cerimónia decorreu esta manhã e contou com a presença do Presidente da República e do primeiro-ministro. Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que Guterres foi o governante mais amado da democracia portuguesa.