sicnot

Perfil

Mundo

Taxa de mortalidade da tuberculose diminui 47% desde 1990

A taxa de mortalidade da tuberculose diminuiu 47% desde 1990, mas a doença continua a provocar milhares de mortes anualmente devido à falta de acesso a cuidados, indica um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgado hoje.

© Luke MacGregor / Reuters

De acordo com o último relatório da OMS sobre a doença, uma das principais causas de mortalidade no planeta, a maioria dos avanços registou-se desde 2000, quando foram aprovados os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio pelas Nações Unidas.

No total, as intervenções médicas com meios de diagnóstico e tratamentos eficazes permitiram salvar 43 milhões de pessoas nos últimos 15 anos e a incidência da tuberculose diminuiu 18% neste período, assinala a OMS.

"O relatório mostra que a luta contra a tuberculose teve um impacto enorme em termos de vidas salvas e de curas", congratula-se a diretora-geral daquela agência da ONU, Margaret Chan.

"Estes avanços são reconfortantes, mas se o mundo quer acabar com esta epidemia é preciso reforçar os serviços e, fundamentalmente, apostar na investigação", adiantou.

Para combater a tuberculose "é necessário preencher as lacunas na deteção e tratamento, assim como no financiamento, e desenvolver novos medicamentos, vacinas e meios de diagnóstico", indicam os autores do relatório apresentado em Washington.

O estudo refere ainda que o número de novos casos foi de 9,6 milhões em 2014, superior aos dos anos anteriores.

Mais de metade dos casos de tuberculose foi registada na China, Índia, Indonésia, Nigéria e Paquistão.

"Os avanços conseguidos estão longe de ser suficientes", lamentou Mario Raviglione, diretor do programa mundial de luta contra a tuberculose da OMS.

Assinalou que a doença "causa ainda 4.400 mortos por dia, um número inaceitável numa altura em que se pode diagnosticar e curar quase todos os doentes".

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.