sicnot

Perfil

Mundo

Mulher do bloguer saudita Badawi afirma que prémio Sakharov é "mensagem de esperança"

A mulher do "blogger" saudita Raif Badawi afirmou hoje que o Prémio Sakharov dos Direitos Humanos, atribuído pelo Parlamento Europeu (PE) ao marido, constitui uma "mensagem de esperança e de coragem".

© Chris Wattie / Reuters

"Agradeço ao Parlamento Europeu. Estou muito satisfeita com o prémio", disse Ensaf Haidas à agência France Presse, em nome do marido, que foi condenado a mil chibatadas e cumpre uma pena de 10 anos de prisão por, no blogue, segundo a acusação, ter insultado o Islão ao defender o diálogo político na Arábia Saudita.

Badawi partilhou a lista de finalistas ao Prémio Sakharov com a oposição democrática na Venezuela e o opositor russo Boris Nemtsov, a título póstumo.

O prémio, que celebra a liberdade de pensamento, será entregue em Estrasburgo no dia 16 de dezembro.

O Prémio Sakharov, no valor de 50 mil euros, foi entregue, em 2014 ao ginecologista congolês Denis Mukwege, especializado no tratamento de mulheres vítimas de violência em África.

Nelson Mandela e o dissidente soviético Anatoly Marchenko (a título póstumo) foram os primeiros galardoados, em 1988.

Em 1999, o galardão foi entregue a Xanana Gusmão (Timor-Leste) e, em 2001, ao bispo Zacarias Kamwenho (Angola).

Lusa

  • Todos os distritos sob Aviso Amarelo devido ao frio

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou Portugal continental sob Aviso Amarelo na quarta e na quinta-feira. Os termómetros vão estar abaixo de zero em todo o território, à exceção dos distritos de Lisboa, Porto e Faro.

  • Motim em prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos
    1:09

    Mundo

    Um novo motim numa prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos. A prisão, que é a maior do Estado do Rio Grande do Norte, tem capacidade para 600 reclusos mas acolhe quase o dobro. Após o motim de 14 horas, a polícia já tem o controlo total da prisão.

  • Aqui também se vive
    16:07
  • Austrália condena Japão por caça de baleias no Oceano Antártico

    Mundo

    O Governo da Austrália condenou hoje o Japão por retomar a caça de baleias no Oceano Antártico, após a divulgação de imagens de um cetáceo morto a bordo de um barco japonês que se encontrava em águas protegidas.O ministro do Ambiente, Josh Frydenberg, manifestou "profunda deceção", um dia depois de a organização Sea Shepherd divulgar fotografias e vídeos de uma baleia minke no barco japonês Nisshin Maru.