sicnot

Perfil

Mundo

Parlamento Europeu anuncia hoje vencedor do Prémio Sakharov

O Parlamento Europeu (PE) anuncia hoje, em Estrasburgo, o vencedor do Prémio Sakharov 2015, galardão que distingue anualmente a liberdade de pensamento.

© Yannis Behrakis / Reuters

Os três finalistas são a oposição democrática na Venezuela, o bloguer saudita Raif Badawi, e o opositor russo Boris Nemtsov, a título póstumo.

Hoje, a conferência de líderes do PE escolhe o vencedor do galardão, que será entregue também em Estrasburgo, no dia 16 de dezembro.

A Mesa da Unidade Democrática, que congrega a oposição e presos políticos na Venezuela, foi formada em 2008 para unir a oposição ao partido do então Presidente Hugo Chávez.

Políticos e estudantes que integram a Mesa foram entretanto condenados a penas de prisão por exercerem o seu direito à liberdade.

O bloguer saudita Raif Badawi, autor do site Free Saudi Liberals, foi sentenciado a dez anos de prisão, mil chibatadas e uma multa por insultar valores islâmicos.

O físico e opositor russo Boris Nemtsov foi assassinado em Moscovo, em fevereiro.

O Prémio Sakharov, no valor de 50 mil euros, foi entregue, em 2014 ao ginecologista congolês Denis Mukwege, especializado no tratamento de mulheres vítimas de violência em África.

Nelson Mandela e o dissidente soviético Anatoly Marchenko (a título póstumo) foram os primeiros galardoados, em 1988.

Em 1999, o galardão foi entregue a Xanana Gusmão (Timor-Leste) e, em 2001, ao bispo Zacarias Kamwenho (Angola).

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.