sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela decreta aumento de 30% para docentes devido a alta inflação

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, decretou, esta quarta-feira, um aumento salarial de 30% para os professores do setor público com o objetivo de proteger os rendimentos dos docentes face a uma inflação que ronda os 85%.

(arquivo)

(arquivo)

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

"Decidi que todo o quadro de professores do setor educativo recebem um aumento de 30% adicional para o final do ano", disse, durante uma cerimónia pública, indicando que a atualização visa proteger os trabalhadores de uma inflação que ronda, segundo dados oficiais, 85%.

Maduro considera que este índice elevado é consequência da "guerra económica" da oposição com o fim de desestabilizar o seu governo.

"Há que proteger o rendimento dos trabalhadores face à guerra económica, e agora a decisão não é apenas proteger e perseguir a guerra económica, é ir à frente da guerra económica e da inflação induzida", disse.

O chefe de Estado venezuelano decretou, no dia 15, um aumento do ordenado mínimo de 30% e ajuste na mesma medida em todas as tabelas e escalões da administração pública.

Com o novo aumento (o quarto em 2015), que produz efeitos em novembro, o salário mínimo dos venezuelanos sobe de 7.421,66 para 9.649 bolívares (de 1.033 para 1343,49 euros).

Os venezuelanos queixam-se com frequência dos altos preços dos produtos, num país onde um café custa 70 bolívares (9,74 euros) e um quilograma de carne de vaca ronda os 1.500 bolívares (208,85 euros) à taxa de referência oficial de 6,30 bolívares por cada dólar norte-americano, usada para a importação de produtos prioritários.

No início do mês, o Centro de Documentação e Análise Social (Cendas) da Federação Venezuelana de Professores divulgou um relatório em que assinalou que uma família de cinco membros precisa de dez salários mínimos para adquirir o "cabaz de produtos básicos".

Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas (Cepal) a inflação anual na Venezuela deverá ser superior a 180%.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.