sicnot

Perfil

Mundo

Abolição da política de filho único na China vai abranger 90 milhões de casais

Cerca de 90 milhões de casais chineses estarão elegíveis para ter um segundo filho a partir do próximo ano, à medida que a política de filho único for abolida, avançou hoje um jornal oficial chinês.

© Jason Lee / Reuters

A decisão de acabar com a política do filho único foi anunciada na quinta-feira após uma reunião de quatro dias à porta fechada entre o Comité Central do Partido Comunista Chinês (PCC), a cúpula do poder na China, e que serviu para delinear as prioridades do 13.º plano quinquenal (2016-2020).

Na prática, esta decisão significa um alargamento da flexibilização da política de filho único, iniciada em 2013 e que permitia aos casais em que ambos os cônjuges são filhos únicos terem uma segunda criança.

Até junho passado, o número de casais que se inscreveram para ter um segundo filho (cerca de 1,5 milhão) ficou muito aquém dos 11 milhões elegíveis.

A medida, que põe fim a um rígido controlo da natalidade que durava desde 1980, visa "contrariar o envelhecimento da sociedade chinesa", indicou a direção do PCC em comunicado.

A mesma nota refere que a China vai continuar a olhar o planeamento familiar como um "interesse fundamental do Estado".

Lusa