sicnot

Perfil

Mundo

México recorre a drones na busca por 43 estudantes desaparecidos

A Procuradoria-Geral da República do México anunciou, esta quinta-feira, que vai utilizar 'drones' na nova etapa de buscas pelos 43 estudantes desaparecidos há um ano.

© Pierre Albouy / Reuters

"Um das reivindicações que tem sido feita pelas famílias prende-se com o uso de tecnologias nas bucas. Eles referem, por exemplo, e especialistas [internacionais] também, o uso de 'drones' e de uma tecnologia que permite detetar cavidades na terra", indicou o subprocurador de Direitos Humanos, Eber Omar Betanzos, em conferência de imprensa.

Estes elementos "vão ser usados por parte da Procuradoria-Geral da República nas ações de busca que lhe competem", disse.

Eber Omar Betanzos explicou que os 'drones' (aeronaves não tripuladas), solicitados pela Procuradoria, se encontram prontos a ser usados.

Por outro lado, indicou que, na passada terça-feira, se reuniu com Carlos Beristain, do Grupo Interdisciplinar de Especialistas Independentes designado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) para colaborar nas investigações do caso, e com Omar Gómez, secretário-executivo do mesmo grupo.

O objetivo do encontro foi estabelecer as bases do plano de trabalho que vai ser desenrolado com o grupo durante o meio ano de extensão do seu mandato no México, explicou Eber Omar Betanzos.

Enfatizou que independentemente de o prazo vir a ser prorrogado, a Procuradoria vai continuar a investigar. "E, com isto, quero também mencionar que o facto de a prorrogação ser de seis meses não significa necessariamente que a investigação termine em seis meses".

A CIDH anunciou, esta quinta-feira, que o grupo de especialistas selecionado para investigar o desaparecimento dos 43 estudantes da escola de professores de Ayotzinapa, no município de Iguala, estado de Guerrero, continuará a trabalhar no caso até 30 de abril de 2016, um período passível de ser estendido.

Na noite de 26 de setembro de 2014, e após violentos incidentes que provocaram seis mortos entre os jovens, os estudantes de uma escola do magistério primário foram entregues por polícias a membros do grupo com ligações ao narcotráfico Guerreros Unidos, que supostamente os assassinaram e incineraram, ao tomá-los por membros de um 'gang' rival.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.