sicnot

Perfil

Mundo

Encontrados destroços do avião russo numa área montanhosa do Egito

Aviões militares egípcios encontraram destroços do avião que hoje se despenhou com 224 pessoas a bordo na península de Sinai, numa área montanhosa, anunciou o primeiro-ministro egípcio, Ismail Sherif.

Anatoly Maltsev / EPA

"Aviões militares descobriram os destroços do avião (...) numa área montanhosa, tendo sido deslocadas para o local 45 ambulâncias para resgatar mortos e feridos", informa o comunicado do gabinete do primeiro-ministro egípcio.

Segundo a agência estatal da aviação russa, a avião, um Airbus-321 da companhia de aviação russa KogalimAvia, perdeu o contacto com os radares às 07:14 quando sobrevoava a cidade de Lárnaca, 23 minutos após ter descolado do Egito.

"Desde então, não voltou a haver contacto. Desapareceu dos radares", disseram as autoridades aeroportuárias à agência russa Interfax.

O avião, que realizava o voo 9268, descolou esta manhã da localidade egípcia de Sharm el Sheikh, um dos destinos favoritos dos turistas russos.

De acordo com fontes da embaixada russa no Egito, todos os passageiros a bordo do avião são cidadãos russos, incluindo 17 crianças e sete membros da tripulação.

Aparentemente, segundo informação da agência de notícias RIA Novosti, o avião perdeu altitude abruptamente logo após a descolagem e o piloto terá pedido permissão à torre de controlo para realizar uma aterragem de emergência no Cairo.

O avião tinha como destino o aeroporto de Pulkovo, na cidade russa de São Petersburgo, onde deveria aterrar um pouco depois do meio-dia.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.