sicnot

Perfil

Mundo

Número de mortos em incêndio numa discoteca em Bucareste sobe para 29

O número de mortos no incêndio numa discoteca em Bucareste, na Roménia, subiu hoje para 29, depois de duas pessoas feridas que estavam hospitalizadas terem falecido, informou o secretário de Estado do Interior, Raed Arafat.

© Inquam Photos / Reuters

"Mais duas vítimas do incêndio no clube Colectiv, na capital, morreram neste domingo: uma no hospital para queimaduras e a outra no hospital Bagdasar, pelo que o número de mortos sobe para 29", declarou Arafat.

O responsável pelos serviços de emergência do país precisou que ainda há 140 pessoas hospitalizadas, das quais mais de 30 estão em estado crítico, razão pela qual as autoridades não descartam a possibilidade de o número de mortos continuar a aumentar.

Todos os mortos já foram identificados, o mesmo não aconteceu ainda com todos os feridos.

O Presidente da Roménia, Klaus Iohannis, disse no sábado que o incumprimento das regras de segurança poderá estar na origem do incêndio, acrescentando que foram ignoradas regras básicas.

Entretanto, o executivo romeno declarou três dias de luto nacional e encarregou o procurador do Estado de acompanhar pessoalmente as investigações ao acidente.

De acordo com declarações de testemunhas ouvidas pela EFE, havia um pequeno artefacto pirotécnico, que se utiliza com frequência nas celebrações de aniversários na Roménia, que soltou faíscas que fizeram com que um pilar começasse a arder.

Poucos segundos depois, as chamas chegavam ao teto, o que provocou o pânico entre as 400 pessoas que estavam no clube e levou a que a multidão tentasse sair do espaço.

O fogo no "Club Colectiv", no centro da capital romena, teve início perto das 23:00 (21:00 em Lisboa), numa altura em que centenas de pessoas se encontravam no interior do espaço noturno para assistir à promoção do novo álbum do grupo de rock local "Goodbye to Gravity", acompanhado por um espetáculo de luz com efeitos pirotécnicos.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.