sicnot

Perfil

Mundo

Turquia repete hoje eleições legislativas entre impasse político e violência

As eleições legislativas antecipadas de hoje na Turquia, as segundas desde junho, arriscam-se a eleger um parlamento muito semelhante ao que originou o atual impasse político, num país em profunda crise estrutural.

© Murad Sezer / Reuters

O Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP, islamita e conservador) vai tentar recuperar a maioria absoluta que mantinha desde 2002 quando chegou ao poder sob a liderança do seu fundador e atual chefe de Estado, Recep Tayyip Erdogan.

Para concretizar esse objetivo, que as sondagens continuam a contrariar, o partido islamita centrou o seu discurso na necessidade de defender a Turquia como a "ameaça terrorista", colocando as forças 'jihadistas' e curdas num plano similar.

O AKP, que obteve 40,9% dos votos em junho (258 dos 550 deputados num universo de 56,6 milhões de eleitores), desencadeou esforços redobrados para, no mínimo, recuperar os 18 lugares que lhe faltam para a maioria absoluta.

No entanto diversas sondagens indicam que o partido de Erdogan e do atual primeiro-ministro, Ahmet Davutoglu, poderá recuar de novo na votação, para além de preverem que a formação de esquerda e pró-curda Partido Democrático dos Povos (HDP, de Selahattin Demirtas e Figen Yuksekdag) -- que entrou no parlamento em junho com uns surpreendentes 13,1% -- conseguirá resistir a cinco meses de grande desgaste e tensão política e manter-se no parlamento, inviabilizando de novo o principal objetivo dos islamitas-conservadores e o desejo de um reforço do regime presidencial pretendido por Erdogan.

A impossibilidade de garantir acordos de coligação após as eleições de junho implicou a realização de novo escrutínio, mas num cenário de profundas alterações políticas e sociais que o país registou nos últimos cinco meses, numa pesada atmosfera de pré-guerra civil.

Todas as projeções indicam que apenas os quatro principais partidos -- AKP, Partido Republicano do Povo (CHP, social-democrata, de Kemal Kiliçdaroglu, 25% em junho), Partido de Ação Nacionalista (MHP, liderado por Devlet Bahçeli, 16,3% em junho), e HDP -- vão de novo superar a barreira dos 10% que garante representação no parlamento de 550 lugares.

O reinício da guerra em julho com o proscrito Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, a guerrilha curda), com 140 mortos entre soldados e polícias, muitas centenas de combatentes curdos abatidos e dezenas de civis mortos no fogo cruzado, fez recuar o país pelo menos até 2012, o ano mais sangrento da Turquia desde o início deste século.

A violência dos confrontos, que assumiu formas de guerrilha urbana em várias cidades do sudeste turco, com maioria de população curda, fez ainda recordar a década de 1990, quando povoações inteiras foram arrasadas.

Um cenário ao qual se associou a recente ameaça das redes 'jihadistas' associadas ao grupo Estado Islâmico (EI), alegadamente envolvidas nos três atentados desde junho que atingiram o HDP, incluindo o perpetrado em 10 de outubro em Ancara com um balanço de pelo menos 102 mortos, o mais grave da história da Turquia.

Estes sangrentos acontecimentos, recorda a agência noticiosa Efe, fazem recordar os capítulos mais obscuros do conflito curdo na década de 1990, quando os serviços secretos turcos associavam a organização islamita radical curda Hezbollah (sem ligações ao partido xiita libanês) a uma "guerra suja" de sequestros e assassinatos contra simpatizantes do PKK e de formações de esquerda.

Os recentes atentados atribuídos às redes do EI na Turquia também tiveram como alvo a esquerda pró-curda, com diversos políticos da oposição a acusarem diretamente o Estado de ser corresponsável pelos massacres.

Lusa

  • Mais de 46 milhões de turcos voltam às urnas
    2:08

    Mundo

    A Turquia volta às urnas este domingo depois de em junho o partido do Presidente Erdogan ter perdido pela primeira vez desde 2002 a maioria absoluta no Parlamento. O país enfrenta um dos piores momentos políticos da história e as sondagens indicam que vai continuar tudo na mesma.

  • Enfermeiros dizem que suplemento de 150 € não é suficiente para acordo
    0:57

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros diz que há um avanço nas negociações com o Governo. Esta terça-feira à tarde, uma delegação do Ministério das Finanças esteve numa reunião que decorreu no Ministério da Saúde. Apesar disso, o presidente do sindicato, José Azevedo, explicou à SIC que a proposta do executivo de pagar mais 150 euros aos enfermeiros especializados não é suficiente para chegarem a acordo.

  • Guterres condena onda de violência em Myanmar
    0:43
  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC