sicnot

Perfil

Mundo

Executivos de construtora brasileira condenados a prisão no caso Petrobras

A Justiça Federal brasileira do Estado do Paraná condenou hoje executivos da construtora Mendes Júnior por crimes como branqueamento de capitais, associação criminosa e corrupção na petrolífera Petrobras.

© Sergio Moraes / Reuters

Entre os condenados está o herdeiro da empresa e ex-vice-presidente, Sérgio Cunha Mendes, a quem foi aplicada uma pena 19 anos e 4 meses de prisão, em regime fechado.

Esta foi a pena mais pesada aplicada a executivos acusados no âmbito do caso corrupção na Petrobras.

Mendes, que atualmente está em prisão domiciliária, ainda terá de pagar uma multa de 1,4 milhões de reais (339 mil euros). A empresa foi condenada a pagar multa de 31,5 milhões de reais (7,62 milhões de euros). Os condenados ainda poderão recorrer da decisão.

O processo contra a empresa foi instaurado após suspeitas de pagamento de subornos em contratos relativos a cinco obras feitas para a Petrobras.

Outros dois ex-diretores da construtora foram condenados, além de um operador do esquema de corrupção, do doleiro (que faz operações irregulares com a moeda norte americana) Alberto Yousseff e do ex-diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa.

Costa e Yousseff ficaram com a pena suspensa porque possuem acordos de delação através dos quais a Justiça permite que informações possam ser trocadas por reduções de pena.

Lusa

  • Chuva, vento, granizo e neve em 13 distritos
    1:42

    País

    Treze distritos do continente estão sob aviso amarelo de mau tempo, com previsão de chuva, granizo e neve. O vento forte também se faz sentir nos distritos de Beja, Faro e Setúbal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.