sicnot

Perfil

Mundo

Executivos de construtora brasileira condenados a prisão no caso Petrobras

A Justiça Federal brasileira do Estado do Paraná condenou hoje executivos da construtora Mendes Júnior por crimes como branqueamento de capitais, associação criminosa e corrupção na petrolífera Petrobras.

© Sergio Moraes / Reuters

Entre os condenados está o herdeiro da empresa e ex-vice-presidente, Sérgio Cunha Mendes, a quem foi aplicada uma pena 19 anos e 4 meses de prisão, em regime fechado.

Esta foi a pena mais pesada aplicada a executivos acusados no âmbito do caso corrupção na Petrobras.

Mendes, que atualmente está em prisão domiciliária, ainda terá de pagar uma multa de 1,4 milhões de reais (339 mil euros). A empresa foi condenada a pagar multa de 31,5 milhões de reais (7,62 milhões de euros). Os condenados ainda poderão recorrer da decisão.

O processo contra a empresa foi instaurado após suspeitas de pagamento de subornos em contratos relativos a cinco obras feitas para a Petrobras.

Outros dois ex-diretores da construtora foram condenados, além de um operador do esquema de corrupção, do doleiro (que faz operações irregulares com a moeda norte americana) Alberto Yousseff e do ex-diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa.

Costa e Yousseff ficaram com a pena suspensa porque possuem acordos de delação através dos quais a Justiça permite que informações possam ser trocadas por reduções de pena.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite