sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch acusa rebeldes sírios de usar civis como "escudos humanos"

A Human Rights Watch acusou hoje grupos rebeldes sírios de crimes de guerra por terem colocado reféns, incluindo civis, em jaulas, a serem usados como "escudos humanos" aos ataques das forças governamentais, nos arredores de Damasco.

© Mohammed Badra / Reuters

Num vídeo divulgado no fim de semana podem ver-se dezenas de reféns, entre soldados e civis, em jaulas que são transportadas para diferentes zonas da região de Ghouta oriental, perto de Damasco para servirem como "escudos humanos".

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH) garante que o grupo Jaish al-Islam colocou os reféns em praças púbicas para impedir bombardeamentos das forças governamentais.

A Human Rights Watch defende que esta prática "constitui uma tomada de reféns e uma afronta à sua dignidade pessoal, ambas [consideradas] crimes de guerra".

"Nada pode justificar enjaular pessoas e intencionalmente colocá-las em perigo, mesmo que o objetivo seja parar os ataques indiscriminados do Governo", disse Nadim Houry, vice-diretora da organização para o Médio Oriente.

Ghouta oriental é um bastião dos rebeldes, sendo frequentemente alvo de intensos bombardeamentos.

Pelo menos 70 pessoas morreram e 550 ficaram feridas em ataques das forças governamentais em Douma, em Ghouta oriental, na semana passada, de acordo com os Médicos Sem Fronteiras.

Mais de 250.000 pessoas morreram na Síria desde o início do conflito, em março de 2011.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20